Cuiabá, sábado, 11/07/2020
17:53:54
informe o texto

Notícias / Esporte

18/06/2020 às 19:01

Anúncio do PlayStation 5 e os desafios do jornalismo de games

Novo tipo de divulgação lvanta questões sobre o papel da imprensa

Leiagora

Anúncio do PlayStation 5 e os desafios do jornalismo de games

Foto: Reprodução/Twitter/playstation

A revelação do PlayStation 5 na semana passada foi diferente das outras vezes. Com o passar dos anos, pode não ser tão fácil perceber as mudanças na forma como se dá a divulgação de novas plataformas de videogame. Mas basta comparar com os anúncios de gerações anteriores para notar a transformação.

Este ano tivemos o impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19), que provocou o cancelamento de diversos eventos, incluindo a E3, a maior feira de games do mundo, prevista inicialmente para acontecer em Los Angeles (Estados Unidos) na semana passada. É ali onde as empresas de games aproveitam para divulgar os seus principais produtos para o próximo ano.

Apesar disso, o fortalecimento da internet e das redes sociais tem provocado dúvidas sobre a sua relevância. Tanto que a edição de 2019 não contou a participação da Sony. E em janeiro deste ano, muito antes do distanciamento social ter se tornado a norma, a fabricante já havia confirmado que permaneceria de fora da E3. Isto no ano em que, entre dados vazados e confirmados, já se sabia que seria lançada a nova geração da linha PlayStation. A empresa optou por seguir uma estratégia distinta das anteriores.

O primeiro PlayStation chegou às lojas no fim de 1994 no Japão, fruto de uma mal sucedida parceria entre a Sony e a Nintendo, que planejavam uma expansão para o uso de jogos em CD do Super Nintendo. Naquela época, a gente sabia das notícias pelas notas nas revistas impressas de videogame. O lançamento no ocidente viria a ser confirmado meses depois, em uma coletiva de imprensa na primeira E3, de 1995. Era um formato muito diferente do que viria a ser consagrado nos anos posteriores: um executivo engravatado, em uma apresentação bem simplória, utilizando o programa Microsoft PowerPoint. Cerca de meia hora de duração, em uma pequena sala no Centro do Convenções.

Algo testemunhado na ocasião por um seleto grupo de jornalistas e membros da indústrias, mas que hoje podemos reviver um pouco graças a uma filmagem bem amadora - realizada por um dos membros da plateia -  distribuída pela internet.

A revelação do PlayStation 2 já contava com uma sofisticação melhor. Jornalistas do mundo inteiro se reuniram em Tóquio (Japão) para conferir a novidade ainda em março de 1999, um ano antes do lançamento, também no país. Em destaque, diversos jogos como Tekken 4 e Gran Turismo, além de demonstrações técnicas que ficariam famosas nas fotos das revistas especializadas (quem lembra do patinho boiando na pia?). Outros títulos seriam apresentados meses mais tarde, durante a Tokyo Game Show, e também na E3 já no ano 2000. Na ocasião, o público consumidor só vivenciaria um pouco do que era apresentado nos lançamentos fechados, e mesmo assim com atraso, nas grandes coberturas da imprensa especializada da época.

O anúncio do PlayStation 3 durante a E3 2005 ainda contaria com muitos slides de PowerPoint, dessa vez mais caprichados e reforçados por novas demonstrações técnicas e trailers de jogos como Metal Gear Solid 4, MotorStorm e Heavenly Sword. Filmada, a coletiva não foi exibida ao vivo pela internet, embora hoje possa ser conferida na íntegra no YouTube. O único jeito de acompanhar ao vivo foi prestigiar os liveblogs de sites de games, que traziam em tempo real as descrições de tudo o que estava acontecendo. Ou então, podíamos esperar pelos relatos mais detalhados da imprensa online e impressa.

O PlayStation 4 foi revelado em fevereiro de 2013, em uma coletiva de imprensa em Nova Iorque (Estados Unidos). A essa altura, já eram comuns as apresentações luxuosas em grandes teatros, com transmissões ao vivo acompanhadas por milhões de espectadores pelo YouTube e outras redes sociais. Meses mais tarde, o design final do console e outros aspectos seriam explorados na E3. Como em todas as divulgações da linha PlayStation em gerações anteriores, os jornalistas presentes puderam apurar detalhes e relatar suas primeiras impressões depois de testar o novo console. Nesse momento, a imprensa online de games já reinava absoluta, ainda que algumas revistas especializadas tenham perseverado até hoje.

No caso do PlayStation 5, a decisão pelo formato de webcast (transmissão de áudio e vídeo, por streaming) deixou quase que unicamente nas mãos da empresa as rédeas da comunicação sobre seus produtos. A apresentação consistiu em um vídeo pré-gravado e editado, de pouco mais de 1 hora de duração, que pode ser acompanhado por dezenas de milhões de espectadores conectados à internet. Uma estratégia há anos adotada pela concorrente Nintendo, com a série de vídeos "Direct".

Poupando milhões de dólares no gasto em publicidade e marketing, a Sony falou diretamente ao consumidor, sem passar pelo tradicional crivo jornalístico. Até mesmo a confusão sobre o novo título do Homem-Aranha - se seria um game inteiramente inédito ou apenas uma expansão de Spider-Man do PS4 - só foi solucionada por meio de uma mensagem no Twitter, publicada na conta oficial da desenvolvedora Insomniac Games.

É claro que a repercussão em países de língua não-inglesa, como o Brasil, onde apenas 5% da população domina o idioma  inglês, ainda depende da intermediação de jornalistas. Mas a imprensa deixou de ser a primeira fonte de informações para uma parte do público: atualmente, a notícia em primeira mão muitas vezes está no Twitter, no blog oficial da desenvolvedora, ou em uma apresentação em vídeo na internet. Até mesmo a comunicação direta em português no Brasil também tem crescido muito nos últimos anos, com a presença oficial no país de empresas como Microsoft, Ubisoft, WB Games e a própria Sony.

O trabalho jornalístico não deixa de ser importante nesse cenário, com análise e confrontação das informações. Os profissionais de e-sport ressaltam detalhes despercebidos, ou trazem à tona assuntos que as fabricantes prefeririam não abordar. O próprio público também virou um motor propulsor dessas informações, quando compartilha e comenta em redes sociais como YouTube e Twitter, força que fica mais evidente com a viralização de memes, como os que debochavam do design do PlayStation 5.

É bem verdade que tudo isso não é uma exclusividade do mercado de games e tecnologia. A sociedade como um todo foi impactada pelo fácil acesso à informação. A concorrência com outros agentes produtores de conteúdo já é uma realidade em todos os campos sociais. De todo modo, isso não significa que o conteúdo produzido tenha a mesma qualidade, ou abordagem jornalística. Portanto, sigo acreditando no papel do jornalismo de e-sport, embora ache que ele precise se reinventar nesse novo cenário.
Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet