Cuiabá, sexta-feira, 14/08/2020
16:03:27
informe o texto

Notícias / Política

30/07/2020 às 10:26

Empresas de MT poderão ter incentivos ao contratar vítimas de violência doméstica

A proposta reduz em 3% o ICMS das empresas que preencherem entre 2% e 5% dos cargos por mulheres que passaram por esses abusos.

Leiagora

Empresas de MT poderão ter incentivos ao contratar vítimas de violência doméstica

Foto: Ilustrativa

Tramita na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o projeto de lei nº637/2020,  que propõe a concessão de incentivos fiscais para empresas que contratarem mulheres vítimas de violência doméstica e familiar,  diminuindo 3% do ICMS de quem preencher entre 2% e 5% dos cargos por mulheres que passaram por esses abusos. As empresas ainda devem ficar isentas do pagamento de (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). 

A proposta apresentada pelo deputado Romoaldo Júnior (MDB) e idealizada pela advogada Deise Cristina Sanábria Carvalho, além de chamar a atenção de empresários e a própria sociedade para esse tipo de abuso, visa gerar oportunidades para a mulher no mercado de trabalho, uma vez que a dependência financeira aparece como um dos principais motivos de silêncio por mulheres agredidas em casa. 

“Levantamentos apontam que de cada quatro mulheres que sofrem agressão, uma não denuncia o agressor porque depende financeiramente dele e essa falta de autonomia financeira é um dos fatores que fazem mulheres se submeterem anos a fio a um marido violento. Os incentivos fiscais concedidos a essas empresas irão possibilitar maior número de contratações e contribuir para o retorno dessas mulheres ao mercado de trabalho”, defende Romoaldo que acredita que o empreendedorismo é um mecanismo fundamental para tirar a mulher do ciclo de violência.

De acordo com o projeto, a empresa que contratar mulheres nessas condições, receberá um selo com o - Título 'Empresa Amiga da Mulher' - para gerar a publicidade, demonstrando o apoio à causa. O benefício será concedido desde que a violência sofrida pela trabalhadora seja comprovada por documentos e apresentação de medida protetiva de urgência. 

Ao agradecer o apoio do parlamentar que abraçou a causa e se dispôs a lutar pela aprovação do projeto, a advogada Deise Cristina relatou que já viveu um relacionamento abusivo e conhece de perto essa dor. Ela é membro da Comissão da Mulher da Associação Brasileira de Advogados em Mato Grosso (ABA-MT) e da Comissão de Defesa dos Direito da Pessoa com Deficiência da OAB/MT, ainda advogada no Núcleo de Práticas Jurídicas da Faculdade de Cuiabá e no escritório Santos Advogados. 

Para a advogada, o projeto apresentado tem grande relevância, pois em meio a pesquisas e conversas com mulheres fragilizadas, ela percebe que a história se repete e a maioria prefere se sujeitar a uma relação abusiva, para que os filhos não sejam privados do sustento e do conforto que muitas vezes é proporcionado pelo agressor. 

Diante da cruel realidade dos dados, Deise avalia que a aprovação do projeto será um avanço na política de Mato Grosso que poderá ser o primeiro Estado da Federação a propor uma lei de tamanho benefício em busca da independência financeira da mulher vítima de violência doméstica e familiar. 

“Essas mulheres necessitam de uma oportunidade para reconstruir a vida. A conquista de um emprego proporciona a chance de mudança, dignidade, independência e autoestima. Agradecemos o deputado Romoaldo por estar com a gente nesta luta. O apoio dele dentro do Poder Legislativo, nos devolve a esperança e a garantia de que não estamos sozinhas”, finaliza a advogada. 

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DURANTE A PANDEMIA 

A violência doméstica é um tema notadamente relevante em tempos de pandemia, em primeiro lugar, porque a conjuntura socioeconômica atual tende a exacerbá-la. A perda de empregos decorrente da crise afeta especialmente mulheres, que se concentram no setor de serviços, o mais afetado pela crise. No Brasil, mulheres são mais sujeitas à informalidade do que homens. Mais de 90% dos trabalhadores domésticos, mais vulneráveis economicamente na crise, são mulheres, e mais de 70% são negros, indicando a maior precariedade do emprego da mulher negra.

Mato Grosso é o terceiro estado que mais apresentou aumento nos casos de feminicídios no país. Os dados da 3ª edição do estudo “Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19, foram divulgados nesta semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança. O levantamento revela que, no Estado, os feminicídios cresceram em 157%. Enquanto de março a maio do ano passado foram 7 feminicídios, este ano, para o mesmo período, chega a 18. Maio foi o mês com mais aumento, 500% em relação ao ano passado. 

Coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher da Defensoria Pública, Rosana Leite, afirma que o cenário pandêmico e de isolamento social trouxe maiores adversidades para as mulheres. “Além de estarem em quarentena, e com temor de uma doença em que não existe mundialmente um tratamento adequado, elas vivem o medo dentro do ambiente doméstico e familiar. O preocupante são as subnotificações, porquanto, se houve aumento nos feminicídios, houve aumento da violência dentro de casa também, mas os números não apontaram esse aumento”, diz.

 
Assessoria ALMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet