Cuiabá, domingo, 29/11/2020
03:57:40
informe o texto

Notícias / Política

20/11/2020 às 12:41

Emanuel tenta abafar escândalos de corrupção e não explica afastamento de secretários

O prefeito já é marcado pelo escândalo do paletó e ainda teve a gestão marcada por um recorde nada positivo: quatro secretários afastados

Alline Marques

Emanuel tenta abafar escândalos de corrupção e não explica afastamento de secretários

Foto: Marcus Mesquita

Não bastasse a cena de Emanuel Pinheiro (MDB) colocando dinheiro no paletó numa situação constragedora, o prefeito ainda teve o mandato marcado por escândalos de corrupção e quatro secretários afastados. Um recorde bem negativo que poucos gestores querem carregar. Porém, o segundo turno iniciou há cinco dias e até o momento não houve sequer uma explicação ou satisfação sobre o que foi feito para recuperar o dinheiro que deixou os cofres públicos para atender interesses privados. 

Foram várias operações que apuram denúncias de fraude em licitação, lavagem de dinheiro, peculato, entre outros crimes. O ex-secretário municipal de Educação de Cuiabá, Alex Vieira Passos, foi alvo da Operação Overlap e afastado do cargo por fraude em licitação e movimentação suspeita que chegam a R$ 1 milhão de reais. O esquema teria beneficiado, inclusive, empresas de parentes do secretário.  

Outro afastado foi procurador-geral de Cuiabá, Marcus Brito, que foi alvo da segunda fase da Operação Overlap.  A investigação aponta que o procurador teria atuado no intuito de obter vantagem indevida por meio da contratação da empresa B.O. Conceição e Silva e Cia Ltda, com nome fantasia Ceteps. O esquema teria iniciado quando Brito ainda ocupava o cargo de secretário de Comunicação e Inovação de Cuiabá, e agiu em parceria com o ex-secretário de Educação, Alex Vieira, para obter tal vantagem, de quem ele seria sócio no escritório de advocacia Zambrim, Brito & Vieira Passos Advogados e, no exercício da função de secretário de Comunicação, teria efetuado a contratação da empresa B.O. Conceição e Silva e Cia Ltda, sabendo que pertencia a Alex.

Um dos maiores escândalos envolveno a gestão foi na Saúde, área essencial para a população. O ex-secretário municipal de Saúde, Huark Douglas Correia, foi preso pela Operação Sangria por desvio de recurso público. O grupo envolvido no esquema já tinha sido preso em dezembro de 2018 pelo mesmo motivo: acusados de fraude em licitação, organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

Os crimes são referentes à condutas ilícitas praticadas por médicos, que administravam empresa, funcionários públicos e outros, tendo como objeto lesar o erário público, por meio de contratos vinculados às secretarias estadual e municipal de Saúde com as empresas usadas pela organização, em especial, a Proclin e a Qualycare.

Já o ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Possas de Carvalho, foi alvo do Gaeco por suposto desvio em licitações voltadas ao enfrentamento da Covid-19. Dentre eles, o sobre preço do medicamento ivermectina no valor de R$ 715 mil. 

Vale destacar que todos os secretários foram afastados pela justiça e não por ação do prefeito. Muito pelo contrário, tanto que Possas já tentou retornar ao cargo por duas vezes e teve o pedido negado pela justiça, que considerou inclusive, os argumentos da defesa ainda mais graves do que os fatos relatados pelo Ministério Público. 

Conhecido nacionalmente como o prefeito do paletó, Emanuel Pinheiro é réu na Justiça Federal por ter sido flagrado, em 2013, recebendo propina por parte do ex-governador Silval Barbosa (condenado a 13 anos de prisão por desvio de recurso público). 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet