Cuiabá, sexta-feira, 05/03/2021
18:57:25
informe o texto

Notícias / Judiciário

16/02/2021 às 09:18

Silval quer entregar 3 imóveis de R$ 22 milhões para abater dívida com a Justiça

Ao STF, ex-governador entregou lista de bens e apontou que, com as novas alienações, sua dívida com a Justiça resta em pouco mais de R$ 1 milhão

Camilla Zeni

Silval quer entregar 3 imóveis de R$ 22 milhões para abater dívida com a Justiça

Foto: Mayke Toscano/Secom

O ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa apontou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a intenção de entregar mais três bens imóveis para alienação. Os itens devem ser usados para abater dos valores devidos pelo acordo de delação premiada, firmado em 2017.

Ao STF, Silval destacou que restam R$ 23,4 milhões para serem pagos do acordo firmado com o Ministério Público Federal. Desse montante, ele pede que os imóveis sejam aceitos para que R$ 22,1 milhões sejam abatidos. Ainda segundo o ex-governador, os terrenos já foram avaliados pela Procuradoria Geral da República. 

"Logo, com a alienação dos bens descritos acima, e avaliados e aceitos pela própria PGR, restaria a diferença de R$ 1.353.105,90 (um milhão, trezentos e cinquenta e três mil, cento e cinco reais e noventa centavos) para a quitação integral do acordo, cujo o colaborador se compromete desde já a efetuar o pagamento, assim que alienados os bens, e nos moldes pré-estabelecidos no acordo", apontou. 

Segundo a ação, os bens a serem entregues são uma área de 7.803,45 metros quadrados no bairro Parque Ohara, em Cuiabá, avaliados em R$ 2.733.000,00, uma área de 1.080 metros quadrados localizado no bairro Jardim das Palmeiras, em Cuiabá, avaliado em R$ 677 mil, e uma área rural de 41.220 hectares, localizado em Sinop (500 km da Capital), avaliado em R$ 18,7 milhões. 

As informações, enviadas ao ministro nessa segunda-feira (15), são resposta a um despacho de Fachin, de sexta-feira (12), no qual o ministro destacou “questões pendentes quanto à substituição dos bens constantes no acordo de colaboração, bem como na dação em pagamento ofertada em face da dívida em pecúnia”.

Delação premiada

Silval Barbosa foi condenado a mais de 25 anos de prisão por esquemas de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro, no governo do Estado, no bojo da Operação Sodoma.

Contudo, devido ao seu acordo de colaboração premiada, firmado com o Ministério Público Federal e homologado pelo Supremo Tribunal Federal, o ex-governador deve cumprir apenas 20 anos de reclusão. Desses, ele passou três anos e oito meses nos regimes fechado e domiciliar, e, em 2019, passou para o semiaberto.

Em seu acordo de delação premiada, o ex-governador se comprometeu a devolver R$ 70 milhões ao estado, como forma de ressarcimento pelos valores desviados. Do valor, R$ 46 milhões seriam transferidos em bens, como terrenos e fazendas, além de um avião particular.

Saiba também
Justiça de MT deve informar ao STF se Silval tem pago acordo de delação corretamente

 
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Joel hino 16/02/2021 às 00:00

    É dinheiro para mais de metro, voltando para os cofres público. Parabéns

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet