Cuiabá, quarta-feira, 24/07/2024
02:40:21
informe o texto

Notícias / Eleições

26/10/2022 às 20:11

Vídeo | Bolsonaro diz que foi prejudicado por fraude em inserções e vai até as últimas consequências

O presidente adiantou que irá recorrer no STF contra decisão de Alexandre de Moraes, fez duras críticas ao ministro e reforçou que tem provas consistentes

Alline Marques

Vídeo | Bolsonaro diz que foi prejudicado por fraude em inserções e vai até as últimas consequências

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PL) realizou um pronunciamento na noite desta quarta-feira (26) para falar sobre a denúncia referente às desigualdades nas inserções de campanha e chegou a citar que foi prejudicado em vários lugares no país, em que não conseguiu atingir a população com suas propostas. Ele alega ainda que irá recorrer da decisão do ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que negou o pedido de investigação feito pela coligação do chefe do Executivo. 

“Eu sempre joguei das quatro linhas da Constituição, sempre respeitei nossa Carta Maior. Passei por momentos difíceis, mas seguramos em nome da democracia. Nunca vocês viram uma palavra minha, para cercear a mídia ou retirar direitos de quem quer que seja. Sempre tive comigo o Artigo 220 da CF que fala da nossa liberdade de expressão. (...) Há pouco tivemos notícia de que o Moraes matou no peito o processo e encaminhou para o Supremo, colocando no inquérito das Fake News, que ele mesmo conduz. Ali na peça, de forma preliminar, o partido tem que responder por ter usado o fundo partidário para contratar uma empresa de auditoria”, iniciou o pronunciamento. 

Bolsonaro alega ainda que em vários locais em que poderia ter virado e ganhado, isto não ocorreu justamente porque os seus programas não chegaram. Segundo ele, sua campanha está sendo muito prejudicada na campanha, mas irá lutar “até as últimas consequências para fazer valer aquilo que nossas auditorias constataram, realmente um enorme desequilíbrio com relação às inserções”. 

 “Isso não é uma forma de fazer política. Tudo isso temos notado não é de agora. Em certos locais que achava que ia bem, mas vimos que perdemos. Certamente as inserções de rádios fizeram a diferença. Não existe outro fator que a gente possa levar em conta neste momento. O presidente do TSE recebeu as provas no tempo hábil que nos cobrou. Nos surpreende o Moraes inverter o processo. De falar que gastamos o dinheiro do fundo partidário com empresas para fazer auditoria. No que depender de mim será contratada a terceira auditoria para verificar se as inserções foram potencializadas para o outro lado. Do nosso lado apareceu quase zero. Isso desequilibra o processo democrático”, diz.

O presidente aponta ainda que o ministro Alexandre de Moraes está invertendo a ordem do processo ao acusar o Partido Liberal de ter usado ilegalmente o recurso do fundo partidário. Isto porque, de acordo com o magistrado, a legenda não poderia usar o dinheiro para contratar uma auditoria. Porém, o Capitão também já adianta que se precisar irá contratar uma terceira empresa responsável por auditar as inserções. 

Bolsonaro então seguiu falando sobre a denúncia feita no início da semana referente à desigualdade das inserções em rádio, comentando ainda sobre a demissão do servidor da Justiça Eleitoral, que já teria apontado a falha nas inserções. 

“Contratamos uma auditoria no primeiro turno e outra no segundo e chegamos a conclusão, ou melhor eles chegaram a conclusão, de forma técnica que havia um desbalanço, uma diferença muito grande, entre inserções do PL e do PT, para muito mais ao PT, entramos com o processo junto ao TSE. Já vimos o TSE, por simples print de zap, investigar muita coisa, inclusive no caso dos empresários, inclusive com busca e apreensão, entramos, e o ministro Alexandre Moraes nos deu 24 horas para apresentar provas, apresentamos provas contundentes. Provas agora que vêm acompanhadas de emails, também. Poucos minutos depois de apresentar provas, um funcionário do TSE foi sumariamente demitido”, comentou. 

O servidor era o responsável por fazer a distribuição destas inserções. Ele prestou depoimento, no qual teria informado que de fato havia ocorrido uma desproporcionalidade nos tempos de inserções. “Repito, está comprovada a diferenciação, o tratamento dispensado a outro candidato, que poderia ter participação dele em algum momento. Se o TSE não tinha nada a ver com isso é incompreensível a demissão sumária desse servidor e a forma que ele foi conduzido para fora do TSE”, alertou.  

Por fim, Bolsonaro ainda se mostrou indignado com inserções veiculadas pelo PT de que o acusam de querer acabar com o 13º salário e com a hora extra. Ele se defendeu, disse que não teria nem como fazer isso, já que seria necessária a convocação de uma nova Assembleia Constituinte, e ainda assim, “ninguém iria suprimir isso, mas pessoas humildes acreditam e não votam na gente. Isto é algo que não pode ser admitido numa democracia. Não é apenas direito de resposta, é dar golpe abaixo da linha da cintura”.


 
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nisaldo da Silva Sobrinho 26/10/2022 às 00:00

    Última vez que votarei em ti Bolsonaro, nem prá vereador mais! Eu o acho um frouxo, covarde, sem atitudes, sem palavras! Em setembro de 2020 era pra ter colocado nas mãos das FFAA pra colocar a casa em ordem mais a vaidade falou mais alto né não!!!!!

 
Sitevip Internet