Cuiabá, sábado, 24/10/2020
19:34:26
informe o texto

Notícias / Judiciário

16/07/2019 às 14:20

Zaqueu assume que recebeu R$ 12 mil de Paulo Taques para operar grampos ilegais

Os militares estão sendo reinterrogados nesta terça no âmbito do processo que investiga as interceptações telefônicas ilegais

Luana Valentim, Camila Paulino e Maisa Martinelli

Os militares envolvidos no esquema que ficou nacionalmente conhecido como Grampolândia Pantaneira estão sendo reinterrogados na tarde desta terça-feira (16), pelo juiz da 11ª Vara Criminal Especializada em Justiça Militar, Marcos Faleiros.

As defesas dos militares pediram as oitivas alegando que haviam pontos nebulosos a serem esclarecidos.

Serão ouvidos o cabo da Polícia Militar, Gerson Luiz Ferreira Correia Junior; o ex-comandante da PM, Zaqueu Barbosa e o coronel PM, Evandro Lesco.

A audiência também ocorrerá nesta quarta-feira (17). Eles são acusados de terem comandado um esquema de interceptações telefônicas.

Esta é a segunda oitiva dos coronéis e a terceira do cabo.

14h30 – O advogado Neyman Monteiro, que faz a defesa do cabo Gerson, falou que deseja mudar o processo de Vara para não atrapalhar a defesa do cabo. Ele citou vazamento de informações importantes e por isso fez este requerimento. Então, o interrogatório seguirá da maior para a menor patente, ou seja, o coronel Zaqueu será o primeiro a ser ouvido.

Neyman alega vazamento de informações sigilosas no decorrer das investigações.

O Ministério Público diz que o direito à ampla defesa não significa direito ilimitado e que as investigações seguem imparciais, tanto que as delações são investigadas e analisadas minuciosamente. O pedido foi indeferido e o processo corre na Vara Militar.

14h40 - O coronel Zaqueu está sendo ouvido.

O MP está sendo representado pelo promotor de Justiça, Vinicius Gahyva fala que houve ação militar ilícita, falsificação de documentos, falsidade ideológica e até prevaricação.

15h16- Faleiros começa a fazer a introdução do caso. Ele relata as acusações que são imputadas aos militares.

O juiz autoriza os militares a falarem aquilo que lhes convir.

Os advogados de defesa fazem as ponderações.

15h47- As defesas dos acusados alegam que tem novidades a serem ditas em depoimentos.

O coronel Zaqueu é o primeiro a prestar depoimento na 11ª Vara Militar de Cuiabá. Ele é acusado de ser o líder do núcleo de inteligência da PM utilizado para realizar as interceptações telefônicas ilegais. 

Zaqueu alegou que os equipamentos foram adquiridos com o consentimento dele, pois ele enxergou uma oportunidade de obter um sistema moderno para a PM.

Ele diz que pediu ao cabo Gerson para procurar um espaço fora da instituição para que não houvessem conversas aleatórias acerca disso.

Zaqueu confessa grampos a pedido de Paulo Taques:'estariam atrapalhando as eleições'

15h52- Zaqueu alega que Paulo Taques solicitou o monitoramento de alguns números que, segundo ele, estariam atrapalhando o andamento das eleições. 

Paulo entregou uma lista de contatos porém, Zaqueu afirma que desconhece as pessoas interceptadas.

As intercepções ilegais ocorreram, segundo Zaqueu, entre o período eleitoral de 2014 e 2016, quando o caso veio à tona.

Zaqueu assume que recebeu R$ 12 mil de Paulo Taques para operar grampos

16h02- Zaqueu alega que chegou a receber R$12 mil das mãos de Paulo Taques para custear os trabalhos de escutas ilegais.

Por meio destas escutas, eles descobriram, por exemplo, que o jornalista José Marcondes Muvuca estaria envolvido com a amante de Paulo Taques, Tatiane Sargalli para tentar derrubar o então governador Pedro Taques (PSDB), a mando do ex-comendador Arcanjo Ribeiro.

"Muvuca estava armando um plano de tentar contra a vida do governador. Inclusive, também identificaram que Janete Riva pleiteava uma cadeira no TCE", disse.

16h13- Zaqueu disse que o promotor Mauro Zaque o convidou para uma conversa e o questionou sobre os grampos. Ele disse que interceptou somente policiais sob suspeitas de condutas erradas. E Zaque o acusou de 'barriga de aluguel' e ele falou: 

“Zaque, você é amigo íntimo de Taques e não sabe disso?”

“Eu sei o que fiz e até onde fiz, saio de cabeça erguida”, afirmou Zaqueu.

Além disso, Zaqueu alegou que nunca almejou se tornar comandante geral, e que a indicação veio de Zaque, que orientou a aceitar.

16h22 O ex-comandante afirma ainda que foi ao Palácio Paiaguas procurar o então governador para falar do caso e que gostaria de resolver, mesmo que ele fosse penalizado. Além disso, argumentou também que foi usado como instrumento dos primos de Pedro Taques para atender interesses políticos.

 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • A Verdade Sufocada 16/07/2019 às 00:00

    Lesco e Zaqueu, vao no CNJ e CNMP.......

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet