Cuiabá, quarta-feira, 02/12/2020
17:56:13
informe o texto

Notícias / Judiciário

09/08/2019 às 14:54

Cliente que tentou enganar Justiça terá que pagar empresa por litigância de má-fé

O consumidor utilizou de argumentos inverídicos e acabou sendo condenado a pagar 9% sobre o valor corrigido da causa e honorários advocatícios no valor de R$6 mil.

Maisa Martinelli

Cliente que tentou enganar Justiça terá que pagar empresa por litigância de má-fé

Foto: Migalhas

Um consumidor que utilizou de argumentos inverídicos para receber indenização por danos morais da Vivo S.A. na Justiça acabou sendo condenado por litigância de má-fé pela Turma Recursal Única do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

O homem entrou com processo contra a empresa de telefonia alegando que estava sendo cobrado por serviços que não havia contratado. Deste modo, requereu a inexistência de débito e a reparação por danos morais supostamente sofridos.

No entanto, a empresa, por meio de seu advogado, Filinto Correa da Costa Junior, apresentou prints da tela do sistema interno, onde ficou comprovado o cadastro do cliente, o histórico de pagamentos do cliente, extrato de consumo, valores inadimplidos e utilização de linha telefônica. Com isso, fazendo com que as alegações mentirosas do autor fossem descobertas, que afirmou que a empresa teria utilizado seus dados pessoais de forma fraudulenta para fazer cobranças indevidas.

“Ora, não é crível que os fraudadores quitassem qualquer boleto originado de sua intenção criminosa”, pontuou a relatora do caso, Patricia Ceni.

“Desta forma, não há o que se falar em ausência de relação jurídica, negativação indevida, sequer em danos morais, tendo em vista, que era incumbência deste em arcar com seus deveres”, completou.

A magistrada destacou que a conduta do autor configura má-fé.

“A atitude da parte reclamante ao ajuizar a presente ação, deixa claro, segundo a interpretação do art. 80, incisos II, do CPC, que este incidiu na litigância de má-fé”.

Tendo em vista que o autor deduziu uma pretensão totalmente inverídica e desrevestida de fundamento fático e jurídico, a juíza decretou a condenação do autor.

"Portanto, CONDENO a parte Reclamante/Recorrida a pagar a multa de 9% (nove por cento) sobre o valor corrigido da causa e honorários advocatícios, que fixo em R$ 6.000,00 (seis mil reais)", concluiu.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet