Cuiabá, segunda-feira, 16/09/2019
22:38:26
informe o texto

Notícias / Judiciário

06/09/2019 às 16:36

Por falta de provas, juiz arquiva ação contra ex-secretário de Saúde

O magistrado indeferiu pedido do Ministério Público e determinou o arquivamento dos autos

Maisa Martinelli

Por falta de provas, juiz arquiva ação contra ex-secretário de Saúde

Foto: Reprodução internet

O juiz Bruno D`Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, indeferiu o pedido do Ministério Público do Estado (MPMT) e determinou o arquivamento de uma ação contra o ex-secretário de Saúde do Estado, Luiz Soares.

De acordo com o órgão ministerial, Soares teria cometido ato de improbidade administrativa por não ter respondido inúmeros ofícios expedidos pelas Promotorias do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa de Cuiabá. Os referidos ofícios solicitavam informações e/ou documentos necessários à instrução de inquéritos civis que investigam a possível ocorrência de crimes de improbidade administrativa na Secretaria de Estado de Saúde.

O Ministério Público alegou, ainda, que uma Notificação Recomendatória foi expedida, que alertava o ex-secretário sobre os atrasos injustificados e o descumprimento às solicitações, que ensejariam em uma ação em seu desfavor.

O órgão requereu que o ex-secretário fosse condenado por improbidade administrativa e ao pagamento de R$600 mil a título de danos morais coletivos.

Todavia, ao analisar os fatos, o magistrado considerou que, apesar de constar omissão de Luiz ao deixar de prestar as informações requisitadas do MP, não há qualquer menção ao elemento subjetivo da conduta, tampouco a descrição de fato capaz de revelar que o atraso aconteceu de forma intencional, ou seja, dolosamente.

 “A leitura da exordial evidencia que a imputação ímproba é deduzida pela mera omissão, pois, em nenhum momento, é apontado que o agir negligente do requerido teria se dado visando benefício próprio ou de terceiros em detrimento da administração e, muito menos, para ensejar enriquecimento ilícito”, diz parte da decisão.

O magistrado também pontuou que o órgão ministerial não demonstrou elementos fáticos para sustentar a ocorrência de conduta dolosa de Soares.

“Pelo exposto, com fundamento no § 8º do art. 17 da Lei nº 8.429/1992, REJEITO a presente ação de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso em face de Luiz Antônio Vitório Soares”, determinou.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet