Cuiabá, terça-feira, 12/11/2019
07:14:57
informe o texto

Notícias / Política

08/11/2019 às 07:25

Diego entra com agravo interno na justiça para retomar CPI do Paletó

A suspensão feita pela desembargadora, relatora do caso, é até o julgamento do recurso de apelação

Luana Valentim

Diego entra com agravo interno na justiça para retomar CPI do Paletó

Foto: Giuseppe Feltrin/Leiagora

O vereador Diego Guimarães (PP) entrou com um agravo interno contra a decisão da desembargadora do Tribunal de Justiça Helena Maria Bezerra Ramos que suspendeu os trabalhos da CPI do Paletó que investiga o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) por receber um suposto dinheiro de propina ainda quando era deputado estadual.

A suspensão feita pela desembargadora, relatora do caso, é até o julgamento do recurso de apelação. “No agravo interno também é julgado por três desembargadores, mas há possibilidade de o relator em juízo de retratação rever a decisão”.

Agora, disse ele, está aguardando o julgamento da magistrada considerando que há possibilidade de ela decidir a qualquer momento quanto a retomada da CPI.

Diego acredita que a decisão ainda saia neste ano, lembrando que se passar de abril de 2020 sem que o judiciário conclua a CPI do Paletó, ele e os demais vereadores que pediram a investigação passam a ter lesão aos seus direito já que a CPI pode ter no máximo 240 dias, ou seja, oito meses.

Entenda

A desembargadora do Tribunal de Justiça Helena Maria Bezerra Ramos determinou, no mês passado, a suspensão imediata da CPI do Paletó na Câmara Municipal. A magistrada atendeu a um pedido do presidente da Casa Misael Galvão (PRB).

Essa não é a primeira vez que a CPI fica travada na Casa por decisão judicial e esse imbróglio causa morosidade nas investigações do dinheiro onde Pinheiro aparece em um vídeo colocando no bolso de seu paletó. Imagens essas que foram divulgadas nacionalmente.

De acordo com o ex-governador Silval Barbosa, o dinheiro recebido por Pinheiro é referente a propina que ele pagava a alguns deputados. Mas o atual prefeito nega as acusações afirmando que estava apenas recebendo um dinheiro para o seu irmão das mãos do ex-chefe de gabinete do então governador, Silvio Corrêa.

Apesar de a CPI que é presidida pelo vereador Marcelo Bussiki, já ter ouvido várias testemunhas, as investigações se travam a cada decisão judicial.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet