Cuiabá, quarta-feira, 21/02/2024
06:45:56
informe o texto

Notícias / Entrevista da Semana

09/07/2023 às 08:00

Thiago Silva faz balanço de mandato e comenta sobre candidatura em Rondonópolis

O parlamentar é o entrevistado da semana do Leiagora e afirma que busca alianças para conseguir se eleger como prefeito em 2024

Paulo Henrique Fanaia

Thiago Silva faz balanço de mandato e comenta sobre candidatura em Rondonópolis

Foto: Reprodução

Natural de Rondonópolis, o deputado estadual Thiago Silva (MDB) está no segundo mandato na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). O parlamentar se filou ao Movimento Democrático Brasileiro quando tinha 16 anos e segue até hoje no partido que o lançou na política em 2013 quando foi eleito vereador por Rondonópolis, mandato que exerceu até o ano de 2018. Neste mesmo ano ele foi eleito deputado estadual com 19.339 votos, sendo reeleito em 2022 com 30.506 votos.
 
Conhecido por ser apaziguador e mais voltado ao diálogo, Thiago evita entrar em polêmicas na Casa de Leis, exercendo o mandato com projetos voltados para a área da educação, saúde e infraestrutura. Ele votou contra o Projeto de Lei nº 1363/2023, o chamado “Transporte Zero” ou “PL da Pesca”, aprovado por maioria de votos na semana passada pela Assembleia.
 
Atualmente, o parlamentar é o “Plano A” do MDB para a disputa da Prefeitura de Rondonópolis em 2024, função esta que Thiago reconhece ser de muita responsabilidade e que faz com que ele passe a buscar alianças com os grandes nomes da política rondonopolitana a fim de vencer o grupo do atual prefeito José Carlos do Pátio (PSB).
 
Leiagora conversou com o deputado que fez um balanço do mandato como vereador e como parlamentar e ainda falou sobre temas polêmicos tal como a reforma tributária, o PL da Pesca, eleições municipais e até mesmo sobre as eleições regionais do MDB que acontecem neste ano.
 
Confira a entrevista na íntegra:
 
Leiagora O senhor já está no seu segundo mandato de deputado estadual. Gostaria que o senhor falasse como que foi essa experiência de sair de dois mandatos de vereador e ir direto para a Assembleia Legislativa.
 
Thiago Silva - Na verdade, a gente iniciou a nossa vida pública no movimento comunitário, ou antes mesmo, no movimento estudantil, sempre lutando pela educação, que a educação é a nossa principal bandeira. Nós acreditamos muito que através da educação nós podemos transformar a vida do cidadão. Então, iniciei lutando pela melhoria da educação, pela ampliação de vagas no ensino superior lá no município de Rondonópolis, depois fui presidente de bairro, tive a oportunidade de ser eleito o vereador pelo município de Rondonópolis em 2012.

Em 2016 fui reeleito o vereador mais votado da cidade, dobrando a minha votação naquele pleito e sempre buscando fazer um mandato participativo, um mandato transparente e próximo das comunidades. Assim como eu aprendi no movimento comunitário, eu tenho buscado ser um parlamentar do diálogo, de estar sempre presente.

Em 2018, a gente colocou o nome pela primeira vez como candidato a deputado estadual, em razão do trabalho que a gente vinha desenvolvendo com os pedidos da população da região sudeste, do município de Rondonópolis e toda região sudeste. Graças a Deus, a gente teve êxito na nossa primeira campanha de deputado estadual e a gente focou o nosso mandato realmente em algumas áreas estratégicas.

Primeiramente, a educação, a saúde onde nós vivenciamos um momento muito difícil com a pandemia, a agricultura familiar, a infraestrutura e a saúde mental. Nesses cinco eixos que nós desenvolvemos o nosso mandato, nesse primeiro mandato da Assembleia Legislativa.

Fui presidente na Comissão de Educação e nós temos focado em melhorar a educação do estado de Mato Grosso. Eu sempre falo que, como nós somos o campeão na produção agrícola, Mato Grosso também precisa ser o campeão na produção do conhecimento. É inadmissível que o estado que mais cresce, um dos estados que mais tem gerado emprego e riqueza, a gente ter uma educação que está entre as últimas no ranking do ensino médio. A gente precisa reconhecer que o governo, através da Secretaria de Educação, o governador Mauro Mendes e o Alan Porto e toda sua equipe tem se esforçado para melhorar esses índices educacionais. A gente tem trabalhado muito junto com a Comissão de Educação, tanto na área da infraestrutura, na área pedagógica e cobrar também a maior valorização dos servidores, mas eu acredito que nós tivemos muitos avanços, principalmente na área pedagógica e na estrutura das nossas escolas que era a maior preocupação.

Quando nós assumimos o mandato, nós tínhamos aí mais de 400 escolas precisando de reforma, escolas que praticamente estavam caindo, obras que já tinham sido iniciadas há quatro, cinco anos e nunca eram terminadas, crianças que estavam estudando em condições insalubres, dentro de container, que foi até um noticiário nacional. Fizemos um trabalho muito forte nessa área. Hoje nós temos aí uma educação não ainda perfeita, mas acredito que ela está melhorando.

A saúde foi um desafio muito grande nesse primeiro mandato, ninguém esperava a pandemia, mas a Assembleia foi fundamental, até mesmo pontuando, criando uma frente de trabalho, devolvendo recursos para que o governo pudesse atender a população e ajudar os municípios.

Outra área muito importante foi a questão da infraestrutura, que avançou muito, tem avançado muito. Para que isso aconteça, que o Estado continue crescendo, nós precisamos de estradas. O governo está fazendo muito através do Fethab, tanto estradas como pontes, mas nós precisamos avançar. Tenho que citar aqui a região do Araguaia, que nós tivemos lá recentemente em defesa da 158, da 242.

A 158 não depende tanto do governo do estado, depende do governo federal, mas é algumas pautas que a gente está trabalhando, juntamente com as lideranças, os vereadores, prefeitos e os deputados, para que nós possamos avançar na infraestrutura do Araguaia, porque é uma região que eu acredito que nos próximos anos vai ser a grande fronteira agrícola do estado, nós temos que levar condições para escoar essa produção. Em outras regiões que nós temos aqui na região sudeste, noroeste que é o caso da pavimentação da MT que liga os municípios de Juruena chegando até Cotriguaçu.

Outra pauta que a gente tem defendido muito, essa questão da saúde mental, é uma preocupação muito grande que tem se agravado muito os casos de doenças mentais no estado de Mato Grosso, principalmente no pós pandemia. Isso inicia desde as nossas crianças até os mais adultos.

A lei da saúde mental das escolas que a Secretaria de Educação promoveu agora no final de maio essa semana da saúde mental onde a gente participou para levar a questão da conscientização a questão dos tabus como você fala de doenças mentais ainda era visto como tabu e hoje a gente tem vários casos aí que às vezes são simples para nós, mas acaba se agravando se não tratar. Criamos agora recentemente junto com o deputado Avallone, a Câmara Setorial de Saúde Mental, onde a gente tem trabalhado. Fui autor de um projeto de lei que melhorou os repasses para os hospitais psiquiátricos, um deles é o Hospital Psiquiátrico Paulo de Tarso, lá no município de Rondonópolis, onde nós conseguimos colocar recursos do FEF, que é o Fundo de Equipe Fiscal.
 
Leiagora - O senhor é conhecido por ser um deputado do diálogo. Como foi fazer esse diálogo durante a tramitação do “PL da Pesca” que o senhor votou contra e é um projeto de lei que impacta muito na região do senhor?
 
Thiago Silva - Em 2019, o governo mandou um projeto naquela época conhecido como “Cota Zero”, para que a Assembleia pudesse fazer um debate. O que eu procurei em primeiro momento foi fazer um debate com a sociedade. A gente fez audiências em Juína, na região da Araguaia, aqui em Cuiabá, fizemos uma audiência muito grande lá em Rondonópolis, juntamente com o deputado Resende onde nós buscamos ouvir tanto os empresários do ramo de hotéis, de pousadas, vendedores de iscas e principalmente os pescadores, aqueles que vivem ali há três, quatro décadas da pesca, que em alguns casos são até questões onde as pessoas não tem outra renda, foi uma profissão que ela aprendeu com o avô e com o pai. Então nós procuramos fazer esse debate.

Eu vi que o projeto deveria ser aperfeiçoado, ele poderia melhorar e ser implantado de forma gradativa. O governo tinha que começar um trabalho para dar condições para que esse pescador pudesse ter o seu tanque para produzir o seu peixe e gradativamente dar condições para ele, não só o salário mínimo, mas dar condições para ele ter a sua produção e assim ele não ficar dependendo do governo. Então eu acredito que em razão disso, de não ter essa discussão mais aprofundada, eu já tinha dado a palavra.

Se não tivesse essa discussão, esse aprimoramento do projeto, pra mim ficaria difícil, porque eu já tinha dado a palavra para os profissionais da pesca, para os pescadores amadores que são pessoas carentes. Você pega aqui regiões de Barão, aqui da baixada Cuiabana, de Rondonópolis, que tem muitos ali que sobrevivem da venda do peixe. Então, como não houve esse aprimoramento, eu vi que eu tinha feito o compromisso, eu não poderia voltar atrás com o meu compromisso eu votei contra.

Agora a gente vai continuar trabalhando para aprimorar o projeto e assim a gente desenvolver outras ações, buscar outras ações junto ao governo do estado e junto ao governo Federal para dar condições para que esse pescador artesanal não tenha apenas um salário mínimo de renda que o governo está propondo, mas tenha outras rendas, que ele possa realmente se manter daquilo que ele mais gosta de fazer que é pescar.
 
Leiagora O projeto foi aprovado, mas alguns deputados como o Wilson Santos (PSD) e o Lúdio Cabral (PT) agora tratam do tema da judicialização do projeto para tentar revertê-lo. O senhor acredita que ainda tem como reverter isso por meio da judicialização?
 
Thiago Silva - A gente está estudando isso. O Wilson apresentou a nota técnica por parte do Ministério da Agricultura, dizendo ali do direito do pescador de manter a sua profissão. E a gente tá estudando isso. Um estudo que está sendo feito somente pela equipe jurídica da Assembleia e nos próximos dias acredito que o Wilson ficou de apresentar esse estudo.
 
Leiagora Falando de Rondonópolis. O município está em alto crescimento, com uma produção industrial muito grande. Temos aí a questão da Reforma Tributária que está prestes a ser votada. Como que reforma pode impactar no município de Rondonópolis e na região?
 
Thiago Silva - Vejo com muita preocupação essa questão da reforma tributária, porque está favorecendo os estados consumidores. Infelizmente nós somos um estado ainda que depende da monocultura, apenas da produção de matéria-prima. A nossa industrialização precisa avançar muito, e se comparar o nosso consumo com os estados grandes, o nosso é bem menor, é bem baixo.

Há um interesse dos estados grandes porque realmente eles vão manter, até melhorar sua arrecadação. Mas a perspectiva é que o estado de Mato Grosso venha a perder de 5, 6, até 7 bilhões [de reais] por ano, isso é uma catástrofe. O estado campeão de produção agrícola, que depende de mais investimentos, principalmente de logística, perder um recurso desses, isso é um atraso para o estado.
 
Leiagora O MDB já confirmou que o senhor é “plano A” nas eleições para prefeito do ano que vem em Rondonópolis. Como o senhor encara essa responsabilidade?
 
Thiago Silva - Com muita humildade e responsabilidade. Eu sou filho de Rondonópolis e quero o melhor para a minha cidade. Eu vejo que Rondonópolis é uma cidade pujante, por si só ela tem crescido, mas nós precisamos dar uma guinada principalmente na área industrial da cidade, na área da educação, na saúde e na mobilidade urbana. São algumas áreas que precisam de uma atenção maior para os próximos anos.

E o MDB, assim como tem serviço prestado durante toda a fundação da cidade de Rondonópolis, o partido está construindo um projeto moderno, audacioso para colocar Rondonópolis de volta nos trilhos do desenvolvimento econômico e tornar uma cidade cada vez mais humanizada. Nós estamos nesse diálogo conversando com as lideranças da cidade. A gente não quer construir um projeto de cima pra baixo, mas sim ouvindo as bases, ouvindo o movimento comunitário, ouvindo os empresários, ouvindo o servidor público, ouvindo os movimentos da cidade, aqueles que realmente queiram fazer uma cidade melhor para os próximos anos.

Então nós estamos ouvindo a todos, conversando com os pré-candidatos para que realmente a gente unifique a cidade. Rondonópolis não pode, pelo seu tamanho, pela importância econômica que ela tem, a gente não pode ter candidatura de extremistas. A cidade tem perdido muito. Tem um que só quer trabalhar para classe A, outro só quer trabalhar para classe B. Tem que ter uma gestão que trabalhe para todos, que realmente unifique a cidade, unifique as forças políticas para que a cidade volta a crescer, a receber indústrias e melhorar a sua educação, saúde, mobilidade urbana e todos os serviços públicos.
 
Leiagora Nas próximas eleições vem o grupo do Zé do Pátio (PSB). Por outro lado tem o grupo do MDB com o senhor que tem essa imagem de um político conservador e ao mesmo tempo tem um grupo bem mais à direita que estuda lançar o nome do Claudio Ferreira (PTB). Como que está essa conversa das alianças para tentar tirar o grupo do Zé do Pátio do poder?
 
Thiago Silva - Acho que a gente deve respeitar a história da cidade, a história de todos que passaram pela gestão pública da cidade, todos tiveram a sua importância, mas nós precisamos avançar.

Hoje nós temos municípios que é o caso de Primavera do Leste e outros municípios da região que têm se tornado protagonistas na industrialização da região Sudeste do estado de Mato Grosso e até pouco tempo atrás Rondonópolis, em razão da sua importância, por ter duas rodovias importantes, que é BR 163 e a 364, por ter o Porto Seco, até então Rondonópolis era o grande protagonista nessa discussão da industrialização. Queremos ressuscitar esse debate.

A gente está fazendo uma conversação com todos os pré-candidatos. Nós não queremos colocar uma candidatura que seja a única opção, queremos ouvir a todos, trabalhar um plano de governo e assim a gente construir a candidatura. Alguns tem uma facilidade maior de conversar, outros já acham que não precisam conversar, que quer fazer o seu caminho ali, sem ter uma preocupação em unificar o diálogo para que realmente possamos ter uma candidatura vitoriosa.

Tem uns que tem uma vaidade muito grande que acabam favorecendo o grupo do Zé do Pátio, que não quer abrir o diálogo. Eu tenho conversado muito com a Adilton Sachetti, com o Aylon, tenho conversado com a Marciane, o Agnelo, alguns nomes que a gente tem conversado que realmente está preocupado e não tem vaidade e nesse momento está preocupado com Rondonópolis em fazer a cidade voltar se desenvolver e crescer e realmente gerar emprego e renda.

Então eu acho que tem que se preocupar, tem que vestir essa sandália da humildade e colocar a cidade em primeiro lugar. Queremos fazer um projeto conversando com os partidos de centro e de direita. Essa é uma preocupação e a gente tem conversado com essas lideranças.

O que não pode acontecer é vaidade, igual aconteceu na última eleição, quando pulverizou de candidatos e é isso que o Zé do Pátio quer. Tem alguns que até mesmo fala que é da direita, mas as atitudes acabam ajudando o projeto do Zé do Pátio e a pessoa não está colocando a cidade em primeiro lugar, mas está colocando o interesse próprio e a vaidade em primeiro lugar.

 
Leiagora Falando em partido, as eleições do MDB estão se aproximando e temos dois grupos bem distintos: um é o grupo do Juarez e outro é o grupo do Bezerra. O senhor acredita que essa disputa vai se acirrar ainda mais ou é possível que haja uma composição?
 
Thiago Silva - A gente está trabalhando para que haja uma composição. São lideranças que têm força no partido. Lideranças que têm respeito no MDB, tanto os vereadores, os prefeitos, toda a militância. O nosso objetivo é trabalhar um consenso. Eu acredito que o deputado federal Carlos Bezerra deva ser reconduzido a presidente do partido pela sua história. É um homem que consegue unificar o partido nesse momento de eleições municipais. Então, eu acredito que deva chegar no consenso e o Bezerra a mais um mandato à frente do MDB.
 
Leiagora O senhor não acha que seria bom uma renovação no MDB?
 
Thiago Silva - Sim, eu acredito, a gente tem defendido essa questão. A renovação do MDB. E eu acredito que está sendo feito, sim, de forma gradativa. Eu tenho defendido isso, que esse novo diretório, os cargos principais, seja ocupado por nós, tanto por mim, como pela Janaina Riva, pelo Dr. João, pelo Juca do Guaraná, pelo próprio Juarez, para que realmente essa mudança dentro do partido, essa renovação possa acontecer.

Mas eu acredito que nessa véspera de uma eleição municipal, nós estamos aí a um ano de eleições municipais, uma mudança trágica nesse momento pode às vezes causar mais prejuízo para o partido. É muito perigoso. Então, em razão que o Bezerra tem a sua história, a sua história do respeito que ele tem de todos, eu acredito que ele deve chegar no consenso e ser reconduzido ali por mais um mandato.
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet