Cuiabá, terça-feira, 28/05/2024
19:48:32
informe o texto

Notícias / Política

25/03/2024 às 17:31

CONSEQUÊNCIA

Bancada do Psol pede a cassação do mandato do deputado Chiquinho Brazão

Para o partido, Brazão representa uma mácula para a Câmara; o deputado foi preso ontem, acusado de ser um dos mandantes dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes Fonte: Agência Câmara de Notícias

Leaigora

Bancada do Psol pede a cassação do mandato do deputado Chiquinho Brazão

Foto: Reprodução

A bancada do Psol na Câmara dos Deputados pediu a cassação do mandato do deputado Chiquinho Brazão (RJ) por quebra de decoro parlamentar. O deputado está preso desde domingo (24), acusado de ter mandado matar a vereadora Marielle Franco (Psol) e o motorista dela, Anderson Gomes, em 2018. Nessa época, Brazão era vereador no Rio de Janeiro. 

“O deputado federal Chiquinho Brazão desonrou o cargo para o qual foi eleito, abusando das prerrogativas asseguradas para cometer as ilegalidades e irregularidades. A sua cassação é uma necessidade: a cada dia que o representado continua como deputado federal, é mais um dia de mácula e de mancha na história desta Câmara”, diz representação do partido endereçada ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). 

Para o Psol, a cassação do mandato é necessária para evitar que ele utilize do cargo para obstruir a Justiça. “Portanto, com a instauração do devido processo de investigação no âmbito do Conselho de Ética, poderá a Câmara dos Deputados, no exercício do poder-dever de investigar os fatos, em face do quanto já revelado e de outros elementos a serem agregados, definitivamente declarar a quebra de decoro por parte do representado”, afirma a representação. 

A Constituição prevê a perda do mandato do deputado ou senador “cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar”. 

A prisão 

O deputado Chiquinho Brazão foi preso ontem por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre Moraes. Também foram presos como suspeitos de terem mandado matar Marielle e Anderon Gomes: o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Domingos Brazão, irmão do parlamentar; e Rivaldo Barbosa, chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro na época do crime.

 

Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet