Cuiabá, sábado, 20/04/2024
12:12:24
informe o texto

Notícias / Polícia

03/04/2024 às 13:34

MAIS ATENÇÃO

'Lugar de bandido não é na política', diz Mendes sobre pretensão de candidatura de membros de facção criminosa

O governador afirma que já sabia da informação nos bastidores, mas frisa que os partidos políticos não tem como filtrar as pessoas antes de receber a filiação

Da Redação - Kamila Arruda / Da Reportagem Local - Jardel P. Arruda

'Lugar de bandido não é na política', diz Mendes sobre pretensão de candidatura de membros de facção criminosa

Foto: Reprodução

“Lugar de bandido não é na política”. Essa declaração do governador Mauro Mendes (União) diz respeito a Operação Apito Final, deflagrada pela  Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) nesta terça-feira (2), a qual aponta que dois integrantes de uma facção criminosa de Cuiabá estariam se preparando para disputar a eleição deste ano para vereador.
 
“Essa informação é importante, relevante e perigosa. Nós já sabíamos, estávamos trabalhando nos bastidores com isso, que o crime organizado vem tentando infiltrar pessoas, não só em Mato Grosso, mas no Brasil interino, dentro da política, elegendo cargos importantes para tentar influenciar o poder público por dentro”, disse o chefe do poder Executivo nesta quarta-feira (3).
 
Ele classifica a situação como “perigosa” e pede maior atenção dos órgãos da segurança pública, bem como do Judiciário e Ministério Público.
 
“Isso é perigoso, vai demandar dos órgãos responsáveis uma atenção muito maior e, acima de tudo, ações mais contundentes para que isso não aconteça. Lugar de bandido não é na política fazendo aquilo que deve ser feito por cidadão de bem, e sim na cadeia, e aqueles que estão na política fazendo isso deviam estar lá [na cadeia]”, completou.
 
A Operação Apito Final trouxe à tona que ao menos dois integrantes de uma grande facção criminosa do estado pretendiam disputar uma cadeira na Câmara de Cuiabá no pleito deste ano.
 
Fagner Paelo e o advogado Jonas Cândido foram presos nesta terça-feira (2) e estavam se preparando para o processo eleitoral. A campanha dos criminosos, inclusive, seria financiada por lavagem de dinheiro, prática pela qual foram presos.

Fagner e Jonas são irmão e advogado, respectivamente, do tesoureiro de uma facção criminosa atuante em Mato Grosso, Paulo Witer Farias Paelo, mais conhecido como W.T. Ele, inclusive, foi preso na sexta-feira (29), durante a Operação WO.
 
Os alvos são investigados por um grande esquema de lavagem de dinheiro que chegou a movimentar R$ 65.933.338,00 milhões em dois anos. Dinheiro este, que seria utilizado para financiar a campanha  de Fagner e do advogado de W.T.
 
Vale ressaltar que, Jonas se filiou na semana passada no União Brasil e pretendia concorrer a uma cadeira no Legislativo Cuiabano pelo partido que tem como presidente estadual o próprio governador.
 
“Todos nós temos que estar atento, todos os partidos. Entretanto, muitas vezes, você não tem os mecanismos adequados para perceber isso. Só uma investigação e uma materialização dessa investigação, pode dar aos partidos, seja eles qual for, elementos para recusar uma filiação ou impedir uma eventual candidatura”, finalizou Mendes.
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet