Cuiabá, quarta-feira, 26/06/2019
02:56:01
informe o texto

Notícias / Cuiabá

22/05/2019 às 09:04

Cooperativa de saúde é condenada por cancelar serviços sem notificar usuário

A Unimed Cuiabá foi condenada a pagar R$8 mil a cliente que teve atendimento médico negado

Maisa Martinelli

Cooperativa de saúde é condenada por cancelar serviços sem notificar usuário

Foto: inforchannel

A Cooperativa de Saúde, Unimed Cuiabá, foi condenada a pagar R$8 mil em reparação a um cliente que teve atendimento negado após o plano ser suspenso. A decisão é da juíza da 4ª Vara Cível de Cuiabá, Vandymara Paiva Zanolo.

O entendimento da magistrada é que operadora de plano de saúde que não notifica o usuário antes de realizar o cancelamento de serviços deve ser condenada a indenizar por danos morais.

Segundo consta nos autos, o cliente possuía um plano empresarial contratado pelo estabelecimento onde ele trabalhava. Ao sair da empresa, a Unimed cancelou os serviços sem notificá-lo.

Ele conseguiu na Justiça o direito de ser beneficiado pelo plano por mais 24 meses e, depois desse período, a operadora poderia cancelar os serviços ou oferecer um outro plano. No entanto, a Unimed não assumiu o compromisso.

De acordo com o processo, o cliente precisou de atendimento médico, que foi negado. Ele recorreu à Justiça, alegando que havia demonstrado interesse em permanecer assistido pelo plano, mas que, mesmo assim, nem foi notificado sobre o cancelamento dos serviços.

Na decisão, a magistrada afirmou que a cooperativa deveria fazer a devida notificação da suspensão dos serviços, como foi decidido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT).

“Ocorre que o acórdão foi claro que a empresa poderia promover a exclusão após o esgotamento daquela instância, desde que promovesse a notificação com antecedência de 30 dias. Assim, não tem relevância se o autor permaneceu por mais 4 anos, pois a ré promoveu o cancelamento em desacordo com os ditames do acórdão”, diz trecho da decisão.

A juíza concluiu que a falta de notificação gerou danos morais ao cliente. Dessa forma, a Unimed fica obrigada a indenizá-lo.

“Sendo assim, a exclusão sem notificação prévia constitui ato ilícito, havendo nexo de causalidade com a angústia sofrida pelo autor ao ter negado o atendimento e recebido a informação de que seu plano de saúde estava cancelado. Ressalta-se, a ilicitude não está no cancelamento, posto que o acórdão conferiu à ré o direito de cancelar o plano. A ilicitude está no cancelamento sem as formalidades determinadas no acórdão.”

Assim, a magistrada condenou a operadora não somente ao pagamento da indenização de R$8 mil acrescida de juros de mora de 1% ao mês a partir da citação, por se tratar de responsabilidade contratual, mas também custas processuais e honorários advocatícios, fixado em 10% sobre o valor da condenação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet