Cuiabá, quarta-feira, 01/04/2020
06:24:22
informe o texto

Notícias / Esporte

18/03/2020 às 17:45

Covid-19: COI vê aumentar resistência à realização dos Jogos de Tóquio

Doença já matou mais de 7,5 mil pessoas e atingiu 200 mil no mundo

Leiagora

Covid-19: COI vê aumentar resistência à realização dos Jogos de Tóquio

Foto: REUTERS/Issei Kato/Direitos Reservados

O Comitê Olímpico Internacional (COI) está enfrentando seu maior desafio em décadas, desde que comunicou aos comitês nacionais, nesta quarta-feira (18), sobre o estado da Olimpíada de Tóquio 2020 em meio à pandemia de coronavírus, à medida em que aumentam as vozes discordantes.

O COI continua comprometido a realizar os Jogos de Tóquio entre 24 de julho e 9 de agosto, tendo dito na última terça-feira, após uma reunião com federações esportivas internacionais, que as medidas contra o vírus estão dando resultado.

O coronavírus já matou mais de 7,5 mil pessoas e infectou cerca de 200 mil no mundo todo e, atualmente, a Europa é seu epicentro.

A entidade olímpica se recusou a cogitar publicamente um cancelamento ou adiamento como opções possíveis, apesar de outros grandes eventos - como os torneio de futebol Euro 2020 e Copa América e o Grand Slam de tênis de Roland Garros - terem anunciado adiamentos na terça-feira.

O vírus também está prejudicando os torneios de classificação para a Olimpíada, já que os atletas têm dificuldades para treinar, viajar e competir e muitas eliminatórias estão sendo canceladas ou adiadas.

Tóquio deve receber cerca de 11 mil atletas, e 53% já garantiram vaga nos jogos. Os demais obterão as suas através de classificatórias modificadas ou por desempenhos anteriores baseados no ranking.

Soluções apropriadas

Nas circunstâncias excepcionais da atualidade, disse o COI, é preciso encontrar soluções que sejam apropriadas, embora elas possam não ser ideais para os atletas.

"Esta é uma situação excepcional que exige soluções excepcionais", disse o COI à agência Reuters em um comunicado emitido nesta quarta-feira.

"O COI está comprometido em encontrar uma solução com o menor impacto negativo para os atletas, ao mesmo tempo em que protege a integridade da competição e da saúde dos atletas", disse.

"Nenhuma solução será ideal nesta situação, e é por isso que estamos contando com a responsabilidade e a solidariedade dos atletas", acrescentou o COI.

O COI recebeu o apoio da Panam Sports, organização que representa 41 comitês olímpicos nacionais das Américas.

Hayley Wickenheiser, membro do COI, classificou a decisão de seguir em frente com o Jogos de "insensível e irresponsável", o ataque mais explícito ao organismo olímpico desde que o presidente Thomas Bach tomou posse em 2013.
 
Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet