Cuiabá, sábado, 06/06/2020
12:03:24
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

31/03/2020 às 19:07

Guedes: medidas de combate a impacto econômico da covid-19 já somam 2,6% do PIB

Segundo Guedes, Bolsonaro orientou a usar todos os recursos necessários para defender a saúde e o emprego dos brasileiros

Leiagora

Guedes: medidas de combate a impacto econômico da covid-19 já somam 2,6% do PIB

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As medidas de combate aos impactos econômicos do novo coronavírus já somam 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB), disse nesta terça-feira (31), o ministro da Economia, Paulo Guedes. O ministro também elogiou o desempenho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que nos últimos dias tem defendido o isolamento social - medida que protege a população do novo coronavírus, mas também tem impactos sobre a atividade econômica.

"Mandetta está administrando a primeira onda, de saúde, está com plano de combate bem definido", afirmou Guedes.

O ministro citou uma série de iniciativas já anunciadas, como liberação de compulsórios para dar maior poder de fogo aos bancos na oferta de crédito, antecipação de 13º de aposentados e pensionistas do INSS, inclusão de famílias no Bolsa Família e criação de auxílio emergencial a trabalhadores informais. Ele também citou medidas para proteger o emprego de quem tem carteira assinada, que devem sair "hoje ou amanhã".

"Estamos lançando esses recursos, já somamos 2,6% do PIB nesse Orçamento de Guerra e que chamo de medidas emergenciais", disse Guedes, em referência a como os gastos "paralelos" da crise estão sendo chamados. "Já tínhamos um déficit estrutural de 2,6% e já está em 5,2% do PIB."

Segundo Guedes, Bolsonaro orientou a usar todos os recursos necessários para defender a saúde e o emprego dos brasileiros. "Instrução do presidente foi clara, não vai ficar nenhum brasileiro para trás", comentou. "Já passamos de R$ 700 bilhões no dinheiro mobilizado para receber o impacto sobre a saúde. Além das medidas creditícias, temos medidas de suplementação salarial e manutenção de renda", disse.

O ministro destacou que a decretação de calamidade pública deu espaço para o governo "esticar os recursos" e começar a gastar mais sem se preocupar tanto com a meta fiscal para o ano, que permite déficit de R$ 124,1 bilhões.

No entanto, Guedes afirmou que ainda há um "problema técnico" de liberação de fontes, e que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Orçamento de Guerra que está sendo articulada com o Congresso tratará da "velocidade de liberação de fontes". Ele disse que restam apenas trâmites jurídicos e legislativos.

Guedes repetiu que o Brasil estava concentrado em reformas estruturantes quando foi atingido pelo vírus. "Assim que tivemos a confirmação da gravidade da crise, começamos a fazer primeiras medidas", afirmou.

Estadão Conteúdo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet