Cuiabá, domingo, 12/07/2020
01:17:58
informe o texto

Notícias / Judiciário

02/06/2020 às 14:16

Com dívida de R$ 120 milhões, Grupo DGF entra com pedido de recuperação judicial

Com atividade nos municípios de Sorriso, Gaúcha do Norte e Porto dos Gaúchos, a empresa produz milho, algodão e soja, além da criação de gado

Leiagora

Com dívida de R$ 120 milhões, Grupo DGF entra com pedido de recuperação judicial

Foto: Jonas Oliveira / Agência Brasil

O Grupo DGF, com sede em Sorriso (a 397 km de Cuiabá), composto pelas empresas DGF Agropecuária Ltda. DGF Fazendas Ltda. e DGF Participações Ltda., entrou com pedido de recuperação judicial na 2ª Vara Cível de Sorriso. Fatores climáticos como a grande seca ocorrida em 2016 e a crise econômica dos últimos anos afetaram duramente a saúde financeira do grupo e dificultou o cumprimento de suas obrigações. O passivo é de cerca de R$ 120 milhões.

Com atuação na agricultura e pecuária, com o cultivo de soja, algodão e milho, além da criação de gado nos municípios de Sorriso, Gaúcha do Norte e Porto dos Gaúchos, a empresa familiar tem em seu quadro societário os produtores rurais Darcy Getúlio Ferracin, e sua ex-esposa, Delísia Dal Santos, e o filho do casal, Darcy Getúlio Ferracin Júnior.

O Grupo iniciou suas atividades em 1998, com a compra da Fazenda Santa Maria da Amazônia, com cerca de 13,3 mil hectares. Expandiu sua área com a aquisição da Fazenda São Jorge que foi transformada em 2.300 hectares de área agricultável, além do arrendamento das fazendas Sylvia (1.000 hectares) e Sodema (1.500 hectares).

Em 2013, após divisão dos bens entre os filhos, o Grupo DGF arrendou as fazendas Cambará, Santo Antônio e Bom Jesus do Kuluene, onde desenvolveu suas atividades de forma regular nos anos seguintes.

As dificuldades da empresa começaram em 2014 com a crise financeira que assolou o país e causou desvalorização do real frente ao dólar. Neste mesmo período, os produtos cultivados e comercializados pelo grupo sofreram forte queda, causando queda substancial no seu faturamento.

Em 2016, com a grave seca que atingiu Mato Grosso, a situação se agravou ainda mais, acarretando uma série de problemas que culminaram em dificuldades financeiras das empresas do grupo.

“Este é mais um caso que representa a crise pela qual passam os produtores rurais do país enfrentam nos últimos anos. É um reflexo dos cenários atípicos que vivemos nas últimas safras e não restou outra saída que não o pedido de recuperação judicial como forma de preservar a atividade econômica e garantir a geração de emprego e renda de várias famílias”, afirma a defesa do Grupo DGF.

 
Da Assessoria 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet