Cuiabá, quarta-feira, 28/10/2020
18:45:21
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

15/10/2020 às 16:49

Após dois anos e meio, audiência com médica que atropelou verdureiro é adiada

Defesa de Letícia Bortolini protocolou um pedido de adiamento da audiência, o que foi acolhido pelo instrutor do processo

Camilla Zeni

Após dois anos e meio, audiência com médica que atropelou verdureiro é adiada

Foto: Reprodução

Exatamente dois anos e meio depois do acidente fatal que vitimou Francisco Lúcio Maia, completados nessa quarta-feira (14), o  Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) pretendia ouvir a médica Letícia Bortolini, acusada de tê-lo atropelado.

O acidente fatal foi registrado na noite de 14 de abril de 2018, na Avenida Miguel Sutil, uma das principais de Cuiabá. Naquele dia, Letícia havia passado a tarde em um evento de churrasco com o marido e, ao retornar para casa, no fim da noite, atropelou o verdureiro que tentava passar pelo canteiro da avenida, fora da faixa de pedestres.

Apesar do atropelamento, Letícia, que é médica dermatologista, não parou para prestar socorro. Ela foi encontrada pela polícia em sua casa, em um condomínio de luxo no bairro Jardim Itália, em Cuiabá. Por conta da omissão, a médica passou a responder um Processo Ético Profissional. 

Conforme o CRM, nessa quarta-feira (14) seria realizada oitiva com a médica e com a filha de Francisco Lúcio Maia, responsável pela denúncia no Conselho. No entanto, a defesa de Letícia Bortolini protocolou um pedido de adiamento da audiência, o que foi acolhido pelo instrutor do processo. 

Em nota, o CRM apenas informou que a justificativa do adiamento seria porque a médica estaria     “impossibilitada de acompanhar a prática do ato”, sem prestar outras explicações. 

“Sendo o depoimento do denunciado um ato em sua própria defesa, bem como um meio de prova, é salutar que seja resguardado o direito das partes, visando evitar futuras arguições de nulidades, o que poderia acarretar em atrasos indesejáveis para o deslinde do processo”, finalizou a nota da presidente do CRM-MT, a médica Hildenete Monteiro Fortes.

Ação judicial
Apesar de já ter mais de dois anos do acidente, o caso da médica ainda tramita na Justiça estadual sem resolução. No fim de setembro, o juiz Flávio Miraglia, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, determinou nova perícia nas provas apresentadas no caso

Em ofício assinado em 1º de setembro, o magistrado destacou que houve falha na reprodução de um dos oito DVDs entregues com os vídeos e fotos da noite do acidente. Por isso, perícia realizada no mês de julho não foi capaz de analisar as imagens.

O acidente
Era noite de 14 de abril de 2018 quando a médica Letícia Bortolini, de 39 anos, atropelou o verdureiro Francisco Lucio Maia ao deixar uma festa, com seu marido, em direção a sua casa, no Bairro Jardim Itália, em Cuiabá.  

Imagens da avenida Miguel Sutil, onde aconteceu o acidente, mostraram o trabalhador com um carrinho de verduras, tentando passar pelo canteiro, quando foi atingido pelo veículo de Letícia, um Jeep Compass.
Segundo as investigações, Letícia dirigiu sob efeito de álcool e não parou para prestar socorro ao trabalhador, que morreu no local. 

Ela foi denunciada pelo Ministério Público do Estado em setembro daquele ano, pelos crimes de homicídio doloso (quando há a intenção de matar), omissão de socorro, condução sob embriaguez e se afastar do local de sinistro para fugir da responsabilidade. 

A médica chegou a ser presa depois do acidente, mas conseguiu liberdade pouco depois e responde, desde então, em liberdade.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet