Cuiabá, quarta-feira, 14/04/2021
16:01:29
informe o texto

Notícias / Política

08/03/2021 às 11:00

Prefeito anuncia novos leitos de retaguarda para covid-19

Por atraso nos repasses, Emanuel diz que não tem recursos para abrir mais UTI's e o objetivo seria atender os pacientes ainda no início da doença

Kamila Arruda

Prefeito anuncia novos leitos de retaguarda para covid-19

Foto: Luiz Alves

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) afirma que irá abrir novos leitos para atender a pacientes acometidos pela covid-19 na Capital. Não se trata, entretanto, de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs), mas sim leitos de retaguarda.

De acordo com o emedebista, a atenção é fortalecer a atenção primaria e secundária, a fim de evitar que o número de pacientes que necessitam de UTI seja maior.

“Agora nós estamos estudando a abertura de mais leitos na criação da rede protetiva, básica e secundária, para cuidar de pacientes leves e moderados para evitar que precise de leitos de UTI”, explicou o emedebista. 

Apesar de ainda não ter uma data concreta para abertura desses novos leitos, Emanuel garante que será o mais breve possível. A expectativa é de que ele anuncie efetivamente na quarta-feira (10).

O chefe do Executivo Municipal afirma que tem bancado todos os leitos de UTIs existentes em Cuiabá sozinho desde janeiro deste ano, o que inviabiliza a abertura de novas unidades. Isto porque, o governo Federal não realizou o repasse, pois o orçamento ainda não foi aberto.

De acordo com Emanuel, o gasto mensal com as UTI's é de aproximadamente R$ 8 milhões, fora os medicamentos, insumos, equipamentos e manutenção. O que acumula ai uma dívida em torno de R$ 25 milhões. A expectativa, segundo ele, é que os Governos Federal e Estadual quitem os atrasado até o final deste mês.

“Um leito de UTI custa R$ 2 mil, sendo R$ 1,6 mil custeado pela União e R$ 400 pelo Estado. Estamos sozinhos desde 1º de janeiro custeando a assistência à covid-19 sem fechar nenhum leito. O orçamento da União deve abrir em 27 de março, abrindo o ministro manda os recursos acumulativos, dos meses de janeiro, fevereiro e março. Até lá, estamos no limite, mas saúde é prioridade e vou fazer gestão, apertar o cinto, mas Cuiabá não vai padecer, vamos segurar a onda em nome da vida”, finalizou.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet