Cuiabá, quinta-feira, 13/05/2021
02:49:51
informe o texto

Notícias / Judiciário

29/04/2021 às 09:01

STF mantém decisão contra pagamento de auxílio-moradia para aposentados do TJMT

Pagamento foi suspenso por determinação do Conselho Nacional de Justiça, mas, para a Amam, decisão foi equivocada

Camilla Zeni

STF mantém decisão contra pagamento de auxílio-moradia para aposentados do TJMT

Ministro Ricardo Lewandowski, do STF

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou recurso proposto pela Associação Mato-Grossense de Magistrados (Amam) contra a decisão que não autorizou o retorno do pagamento de auxílio-moradia a aposentados e pensionistas do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Lewandowksi rejeitou o embargos de declaração explicando que o recurso não pode ser usado para tentar rediscutir o assunto principal e que já foi julgado. Segundo ele, essa foi a real pretensão da Amam.

"Em outras palavras, o citado recurso não constitui meio processual adequado para a reforma do decisum, não sendo possível atribuir-lhes efeitos infringentes, salvo em situações excepcionais, o que não ocorre no caso em questão. Isso porque a embargante não aduz argumentos capazes de afastar as razões nela expendidas. Com efeito, não verifico equívoco nas premissas fáticas delineadas no decisum impugnado, na medida em que, como é de conhecimento geral, afigura-se controvertida a natureza jurídica da verba intitulada auxílio-moradia", escreveu na decisão assinada no dia 27 de abril e publicada nesta quinta-feira (29).

O ministro ainda lembrou que o pedido sequer preenche os requisitos necessários para a concessão da liminar, uma vez que ela exige que haja possibilidade de risco de dano irreparável pela demora na análise do caso. Entretanto, o corte na aposentadoria dos servidores foi feito há cinco anos, de forma que o restabelecimento do pagamento nesta fase liminar não se apresenta como necessário.

Auxílio-moradia

O processo em questão foi movido contra o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que, contrariando decisão judicial do STF, determinou a suspensão do benefício. Monocraticamente, Lewandowski já havia negado o mandado de segurança em março. 

Entretanto, a Associação recorreu, apontando que teria havido omissão por parte do ministro ao deixar de analisar que os proventos de aposentadoria têm natureza alimentar, e que muitos dos magistrados afetados pela decisão judicial têm mais de 80 anos. 

Outra argumentação da Amam foi que o objetivo da ação não seria o restabelecimento do pagamento de auxílio-moradia, mas o dos proventos de aposentadoria em seu patamar integral. Ocorre que, segundo a Amam, em razão da Lei Estadual nº 4.964/1985, que foi editada antes das resoluções do CNJ, o auxílio, na verdade, fazia parte dos proventos dos magistrados integralmente quando estes eram aposentados.

Contudo, depois das resoluções, o TJMT passou a descontar o valor como se fosse um auxílio separado, não mais o englobando como verba de proventos, e retirando um direito já adquirido por lei anterior. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet