Cuiabá, sábado, 12/06/2021
18:50:00
informe o texto

Notícias / Judiciário

06/05/2021 às 16:08

Prefeitura foi alertada pelo TCE sobre medidas a serem tomadas na aquisição de medicamentos

A recomendação feita pelo órgão foi enviada em outubro do ano passado, mas 6 meses depois os auditores encontraram grande quantidade de remédios fora do prazo

Alline Marques

Prefeitura foi alertada pelo TCE sobre medidas a serem tomadas na aquisição de medicamentos

Foto: Tony Ribeiro / TCE-MT

A Prefeitura de Cuiabá foi alertada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), em outubro do ano passado, sobre os deveres relacionados à aquisição de medicamentos pelo Poder Público. Porém, ainda assim, seis meses depois da orientação feita pelo órgão os auditores constataram a existência de grande volume de medicamentos e insumos com data de validade vencidas durante vistoria no Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos de Cuiabá (CDMIC). 

De acordo com informações do TCE, um ofício foi enviado à época às autoridades competentes com o objetivo de oferecer conhecimento e segurança jurídica. Inclusive, dentre as recomendações feitas pelos auditores estava a utilização da nota fiscal como meio indispensável e obrigatório para rastrear o lote, a validade e a efetividade da entrega de medicamentos adquiridos pela administração pública.

Em nota enviada nesta quinta-feira (6), o TCE informou também que na época foi destacado "ser imprescindível e obrigatório que nas notas fiscais de aquisição de medicamentos constassem dados sobre o número do lote e a validade do fármaco adquirido, sendo esta responsabilidade tanto do gestor que atesta o recebimento, como da empresa fornecedora". 

Caso contrário, ambos respondem solidariamente pelo dano ao erário, ante a ausência de nexo causal entre o gasto de aquisição e a efetiva entrada do medicamento nos estoques governamentais.


Leia também - Vereadores relembram denúncias sobre semáforos e afastamentos: 'gestão manchada pela corrupção'

Uma das justificativas dadas por gestores do CDMIC para a existência de medicamentos e insumos vencidos foi a queda no número de atendimentos nas unidades básicas de saúde, uma vez que muitos medicamentos são de uso comum, não para tratamento relacionado ao novo coronavírus.

Aos auditores da Secex, a empresa gestora informou também que, assim que assumiu a unidade, em março de 2020, realizou um primeiro inventário dos medicamentos e detectou que muitos foram adquiridos em anos anteriores.

Alerta

Na época, o relatório técnico com as recomendações foi encaminhado ao governador Mauro Mendes (DEM), procurador-geral de Justiça, presidente da Assembleia Legislativa, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio), bem como aos prefeitos e secretários de Saúde estadual e municipais.

O TCE ressaltou ainda que essas normas sanitárias são fundamentais para viabilizar a rastreabilidade das transações e operações de entrada e saída de produtos farmacêuticos, desde a empresa detentora de registro, passando, se for o caso, pela distribuidora do medicamento.

"No âmbito das aquisições públicas, essas normas, se efetivamente cumpridas pelo gestor público e pela empresa fornecedora, instrumentalizam o controle dos medicamentos comprados com recursos públicos em estoque e/ou entregues", alertou o TCE. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet