Cuiabá, quarta-feira, 21/02/2024
08:55:31
informe o texto

Notícias / Entrevista da Semana

15/10/2023 às 08:01

ENTREVISTA DA SEMANA

À vontade na gestão, Fábio confirma que se Mauro ‘der a missão’ ele continua na Casa Civil

Pré-candidato a prefeito de Cuiabá admite que se sente mais confortável como gestor do que como legislador, mas nega apego ao cargo e se coloca à disposição do grupo

Jardel P. Arruda

É impossível encontrar silêncio na recepção da Casa Civil das 8h da manhã e até às 21h. E isso não tem nada a ver com falta de educação ou pessoas excessivamente barulhentas, mas sim com o constante movimento de vereadores, secretários municipais, presidentes de partidos políticos, prefeitos e deputados federais e estaduais, principalmente os deputados estaduais.

O motivo disso é a diretriz de portas abertas imposta pelo secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Garcia (União). Ele assumiu o cargo há pouco mais de 2 meses, precisamente no dia o dia 10 de julho, em uma “dança das cadeiras”, substituindo Mauro Carvalho (União), aliado político que saiu da pasta para assumir cargo de senador no lugar do licenciado Wellington Fagundes (PL).

Portas abertas que tem um preço: tempo. As agendas se acumulam e transformam o dia de trabalho em uma maratona. Os assessores pessoais precisam se desdobrar, algumas acompanhando as primeiras agendas, antes da entrada na Casa Civil, quando Fábio aproveita para vistoriar obras em Cuiabá. Outros ficam com o pós expediente, momento no qual ele dedica às atividades político partidárias.

Esse, no entanto, é o lugar de conforto de Fábio. Com uma vida profissional completamente voltada para gestão empresarial, sair da Câmara Federal, onde não tem poder de gestão, e assumir a principal secretaria do governo do Estado, com a função de coordenar todas as outras e ainda mediar a relação da administração estadual com os outros Poderes e instituições, é quase um “passeio na Disneylândia”.


Sem dúvida nenhuma, muito mais à vontade na gestão do que no papel de legislador.


Há quem diga que isso tem relação com o fato de ele ser pré-candidato a prefeito de Cuiabá, porém os aliados afirmam que dentro da Casa Civil ele tem menos vantagem do que se estivesse livre, rodando pelo município. Isso já é uma questão de interpretação. E depende de respostas.

Por isso, o Leiagora esperou na recepção da Casa Civil por dois dias, sempre indo além das 18h, para conseguir meia hora de entrevista com Fábio Garcia, o secretário-chefe da Casa Civil e nome apoiado pelo governador Mauro Mendes como pré-candidato do União Brasil à prefeitura de Cuiabá em 2024.

E se ele escapa, liso como peixe, de comentar diretamente a rivalidade intrapartidária com o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União), que também é pré-candidato a prefeito de Cuiabá e quer uma definição do União Brasil sobre o tema ainda em novembro de 2023, Fabio dá o recado:

Assim como ele, Mauro Mendes só quer decidir quem será o candidato do União em 2024. Por enquanto, se for necessário, ele continua na Casa Civil até lá, sem pressa em retornar para o cargo de deputado federal. Basta o governador querer.

Confira abaixo a entrevista na íntegra:


Leiagora -  Secretário, são dois meses completos na Casa Civil e eu gostaria que você me falasse das impressões desses período. Como tem sido essa experiência? 

Fábio Garcia - Primeiro, é um cargo que já ocupei na Prefeitura de Cuiabá, portanto, eu tenho a compreensão  do desafio e  das responsabilidades do cargo. 

Segundo, é importante que a Casa Civil tem a oportunidade de estar próxima da execução dos investimentos. E eu tenho tentado aproveitar essa passagem  para sair do gabinete e também acompanhar as obras que o governo está fazendo em todo o estado do Mato Grosso e também aqui, obviamente, na capital Cuiabá. 

Terceiro, tenho tentado poder contribuir no direcionamento que o governador Mauro Mendes solicita a todos os secretários, que é garantir eficiência máxima nas ações do governo. E o que ele quer dizer com eficiência é que essas ações saiam do papel, atinjam o seu objetivo de levar a melhoria para a população, para a ponta, que se consolide na maior rapidez possível e com menor custo possível.

E aqui dentro da Casa Civil é tentar articular para que isso aconteça, porque muito dos investimentos, para saírem do papel eles precisam de uma interlocução entre várias secretarias. Então a gente faz essa interlocução no dia a dia com as secretarias para garantir que os investimentos possam acontecer na maior eficiência possível.


Leiagora - Pode dar um exemplo prático disso?

Fábio Garcia - A Casa  Civil tem a oportunidade também de fazer gestão. Nós temos, por exemplo, um conselho deliberativo onde a gente delibera os convênios, os investimentos, onde a gente autoriza esses investimentos. E neste ponto de fazer gestão, o importante é a gente poder  garantir que Mato Grosso continue dando exemplo ao país na boa gestão fiscal.  Mato Grosso já é o bicampeão nacional em boa gestão fiscal, né? 

E que a gente possa de fato priorizar o gasto público. Quer dizer, pegar o dinheiro que é do cidadão, controlar o custo da máquina pública para sobrar dinheiro para investimento e priorizar esse investimento nas áreas mais importantes como, por exemplo, saúde pública, educação pública, segurança pública e tantas outras áreas importantes.

Então, a Casa Civil tem oportunidade também de estar ao lado do governador para poder fazer essas escolhas e transformar esse investimentos em realidade para as pessoas. Desse ponto de vista de gestão, é uma boa experiência e é uma área que eu sempre fiz na minha vida, administração, gestão. Tô tendo oportunidade de fazer agora ao mais uma vez ao lado do governador.

Então desse ponto de vista de gestão é uma boa experiência e é uma área que eu sempre fiz na minha vida, administração, gestão. Tô tendo oportunidade de fazer agora, mais uma vez, ao lado do governador 


Leiagora  - Você falou da experiência focada dentro do governo, mas a Casa Civil tem também esse papel de interlocução externa, não é?

Fábio Garcia - É, e também poder fazer essa interlocução com os outros poderes, Assembleia Legislativa, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público... Fazer essa relação institucional. 

E eu sempre digo que a Casa Civil é a porta do governo para a sociedade. É aqui onde a gente recebe as demandas da sociedade. Eu tenho tentado deixar, portanto, a porta da Casa Civil aberta para receber essas demandas. 

Por isso você viu essa agenda atribulada, porque a gente de fato tem aberto as portas da Casa Civil, para que a gente possa receber tantos os deputados, quanto os prefeitos, quanto a sociedade em geral, pra gente poder entender as demandas, ouvindo as pessoas, para gente conseguir encaminhar essas demandas da melhor forma possível.


Leiagora  - A  Casa Civil tem esse desafio de fazer a interlocução entre todos os Poderes, como você mesmo disse, mas também dentro do próprio governo. É o secretário-chefe da Casa Civil, né? Onde tem morado o maior desafio, a interlocução interna no governo ou a externa, com outros Poderes?

Fábio Garcia - Para ser bem sincero, internamente a equipe do governador Mauro Mendes já está muito bem alinhada porque é uma equipe que mudou muito pouco do primeiro para o segundo mandato. Portanto, é uma equipe muito alinhada nesse objetivo, que conhece muito bem o perfil do governador e, portanto, trabalha muito alinhada com o perfil dele, que é um perfil muito objetivo, de resultado, de eficiência, de prioridade do gasto público, né? 

E o diálogo com as instituições é algo permanente. E a política é isso. A política é o diálogo e a política é o desafio de você poder conduzir um diálogo que tenha como objetivo principal atender os maiores anseios da sociedade. Então a política é feita desse diálogo e esse é um exercício diário da política. Portanto, aqui o que a gente faz é exercer este diálogo permanente com todas as instituições para que a gente possa conduzir as políticas públicas em prol da sociedade mato-grossense.



Leiagora  - Você assumiu esse cargo em um ano que começou uma nova legislatura na Assembleia Legislativa e os deputados têm buscado um protagonismo maior,  derrubando mais vetos do governador, falando que precisam ser mais ouvidos. Como está sendo o relacionamento com os deputados? Você sentiu um desafio maior por a Assembleia estar buscando um um protagonismo maior? 

Fábio Garcia - Eu sou deputado também, mas eu sou deputado federal. Portanto, eu conheço muito bem a necessidade dessa interlocução, a necessidade de respeitar a independência dos Poderes e reconhecer a importância de cada um deles. 

Por isso, deputado aqui na Casa Civil tem portas abertas para dialogar, porque ele é um importante representante da nossa sociedade. Ele tem portas abertas para dialogar. E reconheço que a Assembleia Legislativa tem que ter sua independência, a sua autonomia na tomada de decisões. O que a gente tenta fazer, respeitando, obviamente, a independência e autonomia é que a gente possa dialogar sempre para que as decisões do Executivo e do Legislativo busquem atender os anseios da sociedade no curto, no médio e no longo prazo.  

É para isso que a gente tem que tentar buscar esse diálogo, para que a gente possa dar eficácia e eficiência nas políticas públicas do estado, seja com qualquer Poder que a gente dialogue.


Leiagora  - Justamente nessa questão da interlocução com a Assembleia Legislativa, tem a questão dos vetos do governador que foram derrubados, como alguns à lei do Transporte Zero, e recentemente devolveram à LOA para pedir correção em relação às emendas parlamentares, que foi enviado com previsão de 1,2% da corrente líquida e eles pedem que seja 2%. Como está essa relação com a ALMT? E já tem uma estratégia definida em relação a esse percentual da LOA? 

Fábio Garcia - Não, não temos uma estratégia definida porque a aprovação da PEC que levou as emendas de 1.2% a 2%... 

E isso é uma decisão da Assembleia Legislativa porque uma Emenda Constitucional é o legislativo que cria e aprova, não tem interferência do Executivo, do governo do Estado, portanto foi uma decisão do Legislativo... 
Essa decisão aconteceu já próximo do final deste ano [em setembro] e uma lei orçamentária não é construída somente no final do ano. Tem um processo de construção de uma lei orçamentária. Você tem um Plano Plurianual, você tem uma Lei de Diretrizes Orçamentárias e depois você tem a Lei Orçamentária Anual. Portanto, quando ela foi aprovada, grande parte do orçamento do Estado já tinha sido definido no PPA, que é o plano plurianual, e também na lLDO, né? Então o que a gente fez foi mandar uma peça que já estava praticamente pronta.

Porque ela vem de uma construção de bastante tempo. E a Assembleia devolveu e agora a gente tá analisando.  É uma situação inusitada para nós a devolução de uma peça, então estamos analisando quais são os próximos passos. 


Leiagora  - Como você mesmo lembrou, secretário, você ocupou um cargo muito parecido como esse na época da gestão municipal de Mauro Mendes. Foi secretário de Governo. Naquela época, você participou muito das decisões orçamentárias, de estratégias de governo... inclusive, você encabeçou o projeto da Orla do Porto. A sua passagem por aqui reativa um pouco essa memória?

Fábio Garcia -  Eu sempre tive um perfil, pela minha história profissional, de muito mais administrar do que legislar.  Eu fui deputado por um mandato, essa é a minha experiência no Legislativo. E fui executivo de grandes empresas minha vida toda, é minha experiência de administrar, de fazer gestão, de executar. Então eu, de fato, não consigo me desapegar da gestão. Quando eu assumo um cargo, busco também ir a fundo, tentar tirar as coisas do papel, tentar acompanhar os investimentos. Aqui não tá sendo diferente. 

Quando eu fui da Prefeitura, o prefeito me delegou a responsabilidade dos projetos estratégicos. E ali a gente tirou do papel o Parque das Águas, o Parque Tia Nair, a Orla do Porto, o Hospital São Benedito, o projeto e início das obras do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), o projeto novos caminhos que foi um grande programa de pavimentação asfáltica nos bairros. Enfim, vários projetos estratégicos nós tiramos o papel naquele momento.

Aqui na Casa Civil, tenho acompanhado muitas obras, acompanhado como elas estão evoluindo, a execução, tentando acompanhar a qualidade... Porque isso tá dentro de mim, né? É a minha formação, então é sempre mais fácil quando você atua dentro da sua formação.

Eu divido o meu tempo. Logo cedo, antes do expediente, vou visitar obras e depois eu venho para o expediente, abro aqui a Secretaria para a gente poder dialogar internamente dentro da secretarias e também para fora, com a sociedade, com os outros Poderes. E sempre que posso, à noite também também vou visitar obras, vou visitar as secretarias, para conhecer como é que tá funcionando, porque quando você sai do gabinete é que você começa a ter uma melhor noção da realidade das coisas, como as coisas estão de fato acontecendo. Portanto, eu tenho tentado ter essa dinâmica, a mesma que eu tive é quando  fui secretário de Governo, porque é dinâmica que eu aprendi em toda a minha vida, na minha carreira na iniciativa privada.


Leiagora  - Você se sente mais à vontade na gestão?

Fábio Garcia - Sem dúvida nenhuma, muito mais à vontade na gestão do que no papel de legislador. 



Leiagora  - Falando em gestão, não tem como ficar sem perguntar sobre a pré-candidatura a prefeito de Cuiabá. Como está sendo viver essa experiência de pré-candidatura em um cenário que, por vários motivos, foi bastante antecipado?

Fábio Garcia - Primeiro, eu sempre critiquei a antecipação do processo eleitoral. E eu acredito que o Brasil, como um todo, precisa sair da pauta da eleição - porque as pessoas não estão preocupadas com a eleição agora não - e entrar na pauta do trabalho. 

Tem um momento de trabalho e tem momento de eleição. E a legislação ela já diz qual o momento da eleição. O momento da eleição é para se discutir no próximo ano, que abre o calendário da eleição. Para mim, esse ano é de trabalho. 

Meu nome está sendo lembrado como pré-candidato a prefeito de Cuiabá pelo meu partido, por alguns membros do partido, inclusive pelo governador do Estado e eu fico feliz pela lembrança. Mas, eu tenho focado aqui no trabalho e não na eleição. Vou deixar a eleição para o próximo ano. 

Eu sempre acredito que, na vida, o que a gente constrói é resultado da nossa dedicação, do nosso trabalho e, obviamente, da benção de Deus. Portanto eu vou continuar trabalhando e no ano que vem a gente vai discutir o processo eleitoral com mais profundidade.


Leiagora  - Como que está o clima internamente, no União Brasil? Há um processo de definição do pré-candidato em qu se analisam o seu nome e o nome do deputado Eduardo Botelho?

Fábio Garcia - Pelo que eu acompanho das entrevistas, inclusive públicas, do presidente do partido, que é o governador Mauro Mendes, ele também quer deixar essa decisão partidária para o próximo ano. Ele já falou isso algumas vezes. Portanto, aqui, na nossa dinâmica do dia a dia a gente fala muito de trabalho e a gente praticamente não fala de eleição. Porque eu entendi a mensagem dele, que é "agora nós vamos trabalhar, ano que vem a gente fala de eleição". Portanto, a decisão dele é deixar isso para o ano que vem. Inclusive, essa é decisão interna do partido.

Leiagora  - E em relação ao diretório municipal de Cuiabá, que ainda não foi constituído? Por mais que a eleição começa ano que vem, há um trabalho de formação de chapa de vereadores, que é longo, passa pela depuração de lideranças, e todos os pré-candidatos tem um certo interesse nisso. O União Brasil, já trabalha nisso ou ainda não? 

Fábio Garcia - O diretório não está definido, mas isso não impede que a gente trabalhe. Portanto, todos que querem contribuir com a formação de uma chapa de vereadores forte para Cuiabá, podem ajudar a construir essa chapa. Eu mesmo, quando alguém me pergunta se eu indico um partido para ser candidato a vereador, se é um bom candidato, eu falo "vem para União Brasil", né? E nós temos diversos fatores aí que tem nos ajudado nesse diálogo, nessa nessa formação dessa Chapa. 

E eu não tenho dúvida nenhuma que União Brasil vai ter uma chapa forte, que o União Brasil vai ter uma candidatura própria, e que União Brasil vai ser o grande protagonista das eleições do ano que vem aqui na Capital. Nós vamos sair da eleição maiores que a gente vai entrar. 

Nós somos hoje o maior partido do Estado do Mato Grosso, né? A partir de um governador, de dois senadores, agora Jayme Campos e Mauro Carvalho, dois deputados federais. Eu, o coronel Assis, quatro deputados estaduais, mais de 60 prefeitos. E nós vamos sair ainda maiores a eleição do ano que vem. 

E em Cuiabá não será diferente. Nós seremos protagonistas dessa eleição de Cuiabá, com certeza. E a gente vai ter uma grande chapa de vereadores, e certamente, a nossa candidatura majoritária, ajudará na eleição dos nossos vereadores. Isso sempre é assim.


Leiagora - Aproveitando o assunto, gostaria que você fizesse um um diagnóstico de como que você vê, Cuiabá, hoje. Inclusive, você que já teve na administração de Cuiabá antes, então tem um olhar de cidadão e de gestor também sobre a cidade.

Fábio Garcia - Eu é infelizmente vejo uma cidade capturada por uma gestão incompetente, uma gestão com gravíssimos problemas de desvio de dinheiro público, corrupção, 18 operações policiais por desvio de dinheiro público, uma cidade abandonada e muito endividada. E isso acaba refletindo no que você encontra nas ruas de Cuiabá. É buraco no asfalto em toda cidade, sucateamento dos serviços públicos e dos prédios públicos. 

Cuiabá precisa resgatar o seu protagonismo. Cuiabá é a capital de um dos Estados mais fortes, do estado que mais cresce no Brasil. Cuiabá precisa recuperar o seu protagonismo e precisa voltar a liderar esse processo de desenvolvimento de crescimento do estado de Mato Grosso. E eu tenho certeza que, se bem administrada, essa cidade pode recuperar esse protagonismo e conduzir o crescimento do estado. 

Cuiabá tem muito potencial, por ser a capital, para ser a cidade sede das grandes empresas, a cidade que consegue formar mão de obra qualificada, a cidade que consegue oferecer emprego de qualidade para todo este setor econômico e produtivo de todo o estado de Mato Grosso. É a cidade que vai, dentro de pouco tempo, receber aqui a ferrovia, que vai nos ajudar nos industrializar a crescer a nossa indústria. Eu tenho absoluta convicção que, se essa cidade for bem administrada, Cuiabá será a cidade que vai conduzir o crescimento do estado com as maiores oportunidades para Mato Grosso.

Mas, para isso, a gente precisa cuidar bem da cidade. Ela só será um bom destino para as empresas, para gerar oportunidade, se ela conseguir cuidar bem das pessoas que aqui vivem, oferecer qualidade de vida, oferecer segurança pública, oferecer bom serviço da saúde pública, oferecer uma boa educação.

E isso só depende de uma boa gestão, de respeito, de honestidade, respeito com dinheiro público e um comprometimento do gestor com as entregas, com que a cidade efetivamente precisa. Portanto, eu acredito muito no potencial da cidade. Eu defendo uma mudança muito contundente na forma de administrar a cidade e aí Cuiabá se recuperará e será a grande protagonista de todos do crescimento do estado de Mato Grosso.


Leiagora Existe um senso comum entre parte da classe política de Mato Grosso de que a falta de relacionamento entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o governador Mauro Mendes prejudicou Cuiabá nos últimos seis, sete anos. Qual sua opinião sobre como isso prejudicou Cuiabá?

Fábio Garcia - A verdade... A é verdade é que a única coisa que o governador Mauro Mendes tem resistência é de colocar dinheiro na mão do prefeito Emanuel Pinheiro para ele administrar.

O governo não deixou de investir em Cuiabá. O governo do Estado investe mais de R$ 2 bilhões somente na cidade de Cuiabá construindo hospitais, pavimentando bairros, construindo vias para melhorar a mobilidade urbana. Portanto, o governo investe muito mais na cidade do que a própria prefeitura investe na cidade.

Então, o governo deixou de investir por isso. A única escolha do governador fez é a de não colocar dinheiro na mão do prefeito por motivos óbvios. E toda a sociedade sabe porque não se deve colocar dinheiro na mão do prefeito Emanuel Pinheiro.

Agora, óbvio que se tiver uma relação de confiança entre governo estadual e a prefeitura, isso é bom para cidade, isso é bom para a sociedade. Uma relação de confiança, de honestidade, de seriedade de responsabilidade...É bom para todo mundo. Mas o que acontece, de fato, é que o governo nunca deixou de investir na cidade de Cuiabá.


Leiagora - Há dois meses atrás, você foi chamado para cumprir essa missão aqui na Casa Civil pelo Governador Mauro Mendes quando Mauro Carvalho assumiu o mandato do senador licenciado Wellington Fagundes. A licença do Wellington termina no próximo mês, ele vai voltar ao mandato e em tese o Mauro Carvalho poderia voltar para Casa Civil. Só que eu ouvi dizer que o Mauro Carvalho não volta para Casa Civil de imediato, que ele vai cumprir uma outra missão para o partido e vai ficar mais um tempo longe da Casa Civil. E eu já vejo que você tá completamente adaptado aqui na Casa Civil. Já houve uma conversa sobre a extensão da sua permanência aqui?

Fábio Garcia - Nunca tive essa conversa. Eu já deixei, na verdade, tanto o governador Mauro Mendes quanto o senador Mauro Carvalho, muito à vontade com essa questão, né? E eu entendo que vim para cá cumprir uma missão e não tenho apego a nenhum tipo de cargo, sendo muito pragmático. 

Na verdade, eu até demonstrei isso quando  abri mão de uma candidatura de deputado federal para poder ajudar o meu grupo político, quando me foi pedido para eu abrir mão da candidatura a deputado federal da qual liderava a pesquisa na época. Isso é uma demonstração muito clara de quem não tem apego e faz política porque acredita, porque tem a oportunidade de fazer, porque gosta. 

Acredito que seja uma missão [chefiar a Casa Civil]. No momento que o governador definir que eu já completei essa missão, eu tô pronto para voltar para minha outra missão, que é ser um bom deputado federal pro estado de Mato Grosso, poder ajudar o estado do Mato Grosso e ajudar o Brasil lá na Câmara Federal,  como eu sempre disse, de forma muito responsável, muito corajosa.

Primeiro buscando impedir que haja retrocessos do nosso País diante do novo governo; e segundo, ajudando no que for possível o nosso estado Mato Grosso do Brasil.

Portanto, eu tô pronto para qualquer um dos dois desafios que me colocarem, seja a missão aqui na Casa Civil, seja a missão de ser um bom deputado federal pelo estado do Mato Grosso. 


Leiagora - Então se o governador pedir para você continuar aqui por mais um tempo, você está pronto para essa missão também?

Fábio Garcia - Eu tô pronto para missão que o meu grupo político e o governador, que é o líder político, determinar que eu tenho que fazer.

Leiagora Para encerrar, você quer deixar uma mensagem para o nosso público? 

Fábio Garcia - Na verdade, nós somos servidores públicos, e como servidores públicos a gente tem obrigação de escutar e entender as demandas que saem das pessoas, que surgem na ponta e chegam até nós, que temos que tentar concretizar resolver essas demandas da forma mais eficiente possível, né? Agora eu sempre vou continuar atuando da forma que eu acredito, né? Respeitando o dinheiro público. 

Eu sou o deputado federal, de longe, o deputado mais econômico da bancada de Mato Grosso porque eu acredito que o dinheiro público deve ser tratado com muito respeito, buscando a eficiência e, como eu disse, trabalhando o máximo que eu conseguir, trabalhar longas horas. 

E deixando esse assunto de eleição para o momento apropriado. Eu, quando tive oportunidade, lá atrás de votar uma reforma política, eu votei numa reforma política que era com eleição única de vereador a Presidente da República, a cada cinco anos e sem reeleição, exatamente para que a gente tenha mais tempo para trabalhar e menos tempo falando de eleição. 

Acredito que, para política, nesse país, a gente precisa de respeito ao dinheiro público, eficiência no gasto público e muita dedicação e muito trabalho. E as coisas acabam acontecendo dessa forma. 

Portanto eu vou continuar atuando, seja aqui ou na Câmara Federal, com aquilo que eu acredito que possa ser bom para o país, bom para o Mato Grosso e bom para a sociedade de Mato Grosso. 
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet