Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
19:39:25
informe o texto

Notícias / Judiciário

11/06/2019 às 10:23

Empresa é condenada por falar mal de ex-funcionário

O empregador teve que pagar R$6 mil de indenização por danos morais

Maisa Martinelli

Empresa é condenada por falar mal de ex-funcionário

Foto: ntadvogados

Uma empresa foi condenada a pagar R$6 mil de indenização por danos morais a um ex-funcionário por divulgar informações negativas sobre ele a quem perguntasse sobre seu histórico profissional. A decisão foi proferida pela 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS).

O ex-empregado, que trabalhava como auxiliar de serviços gerais, descobriu a atitude da empresa quando solicitou que amigos ligassem no estabelecimento se passando por contratantes pedindo informações. Nas duas ligações, que foram gravadas, funcionários da empresa disseram que o trabalhador não realizada o serviço que lhe competia e que ajuizou ação trabalhista contra o estabelecimento depois que foi dispensado.

Nesta primeira ação, o trabalhador fez um acordo com o ex-empregado. No entanto, entrou com uma outra ação, sob o argumento de que a empresa passou a difamá-lo depois da homologação do acordo. Na ação, ele requereu indenização por danos morais, alegando que estava tendo dificuldades de conseguir um novo emprego por conta disso.

O juiz Artur San Martin, da 1ª Vara do Trabalho de Gramado/RS, julgou procedente o pedido do trabalhador, considerando como sendo lícitas as gravações, e indenizou a empresa ao pagamento de R$6 mil ao ex-funcionário.

Não contente com a decisão, a empresa recorreu à Segunda Instância, alegando que não foi a proprietária da empresa que passou informações em desfavor do ex-funcionário, e sim empregados. No entanto, o TRT- região 4 manteve a sentença.

De acordo com a decisão da relatora, a desembargadora Tânia Regina Silva, o fato de os funcionários não terem função diretiva não desqualifica a ilicitude do ato.

 “Isso porque a reclamada é responsável pelo ato de seus empregados, quando estes atuam em tal qualidade. Portanto, assim como a origem, considero demonstrado que a ex-empregadora do autor, por meio de seus funcionários, prestou informações desabonadoras acerca de conduta obreira e de existência de reclamatória trabalhista por ele ingressada, a fim de dificultar o seu reingresso no mercado de trabalho”, diz parte da decisão.

Após essa decisão, que foi unânime, a empresa não entrou com novo recurso.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet