Cuiabá, terça-feira, 04/08/2020
16:44:32
informe o texto

Notícias / Judiciário

30/07/2020 às 12:45

MP cita aumento de 105% em remuneração e pede fim de VI para prefeito e vice de Cuiabá

O procurador destaca que as leis violam o princípio da moralidade, porque seriam uma forma disfarçada para um aumento no salário

Camilla Zeni

MP cita aumento de 105% em remuneração e pede fim de VI para prefeito e vice de Cuiabá

Foto: Davi Valle/Secom

O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, acionou a Justiça contra o pagamento de verbas indenizatórias para o prefeito e o vice do município de Cuiabá. Na ação direta de inconstitucionalidade, o chefe do Ministério Público observa que o pagamento é sustentado por três leis, que aumentaram, ao longo dos anos, o rol de beneficiários das verbas indenizatórias.

Atualmente, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) recebe R$ 25 mil em indenização para "atender as demandas decorrentes do exercício do cargo", sendo que, para a mesma finalidade, também é pago o valor de R$ 15 mil para o vice-prefeito, Niuan Ribeiro (Podemos).

O Ministério Público pontua que esse pagamento é inconstitucional porque não especifica quais despesas vão ser objeto de ressarcimento e não tem amparo jurídico. Antônio Borges pondera que "os pagamentos se dão genericamente, pelo simples fato de os beneficiários ocuparem os cargos de prefeito e vice-prefeito", o que viola normativas da Constituição Estadual de Mato Grosso. 

Além disso, ele observa que é temerário que se confunda verba de indenização com pagamento por uma função pela qual os beneficiários já são remunerados. Ele destaca que as leis questionadas violam o princípio da moralidade, porque seriam uma forma disfarçada para um aumento no salário dos gestores.

"Tal conclusão foi alcançada precipuamente porque a causa jurídica utilizada em lei para justificar o pagamento da verba dita indenizatória ao Prefeito e ao Vice-Prefeito de Cuiabá é coincidente com suas atribuições típicas e ordinárias, ressarcíveis desde logo pelo subsídio pago mensalmente, sendo indevido o pagamento em duplicidade, restando desvirtuada a natureza indenizatória da verba", diz trecho da ação.

O procurador-geral observa que a verba indenizatória paga o prefeito chega a ser 105% do salário mensal, que é de R$ 23.634,10. No caso do vice-prefeito, o benefício representa 100% do seu salário. Da mesma forma acontece com servidores em cargos de chefia, que, do CGDA 2 ao CGDA 9 recebem também 100% do salário como verba indenizatória.

O MPE ainda manifesta que precedente do próprio Tribunal de Justiça já analisou as leis em questão e frisou que as verbas indenizatórias devem pagar, no máximo 60% do valor da remuneração dos beneficiários.

Dessa forma, Antônio Borges pediu que, se o judiciário não declarar a inconstitucionalidade do pagamento, que ao menos ajuste as leis para que os valores se limitem a 60% do subsídio. O caso é analisado pelo desembargador Juvenal Pereira.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet