Cuiabá, quarta-feira, 14/04/2021
16:38:07
informe o texto

Notícias / Judiciário

05/03/2021 às 11:21

Emanuel quer que Gilmar Mendes analise ação contra decreto do Estado

Até então, a nova reclamação deve ser analisada pela ministra Cármen Lúcia

Camilla Zeni

Emanuel quer que Gilmar Mendes analise ação contra decreto do Estado

Foto: Gustavo Duarte

A Prefeitura de Cuiabá pediu o  ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), seja o responsável pela análise da reclamação protocolada contra a decisão judicial que o obrigou a seguir o decreto estadual com medidas contra a covid-19.

Na petição, o procurador-geral adjunto do Município, Allison Akerley da Silva, apontou que o STF já analisou uma reclamação em 2020, que tratava sobre tema semelhante.

Na época, o prefeito Emanuel Pinheiro reclamou contra outra decisão da Justiça mato-grossense, que o obrigou seguir um dos decretos editados pelo Governo do Estado. Na época, as medidas para contenção da covid-19 apontadas pelo estado eram mais flexíveis que as do município e, por isso, ele acionou o STF.

Gilmar Mendes, responsável pela análise da primeira reclamação, deu razão ao município, reconhecendo sua autonomia para decretar medidas mais restritivas. Por isso, agora a Prefeitura quer que o mesmo ministro análise o novo pedido. 
Até então, a relatoria é da ministra Cármen Lúcia.

"Outrossim, diante de decisão cautelar vigente, favorável ao Município de Cuiabá nos autos da Reclamação nº 41.935, imperiosa a reunião de ambas as ações para evitar risco de decisões conflitantes ou contraditórias acaso analisados em separado", diz trecho da manifestação.

Cabe destacar que, ao contrário da primeira vez, agora é Emanuel quem pretende adotar medidas mais flexíveis. Enquanto o decreto estadual nº 836/2021 restringe o horário de funcionamento das atividades e serviços no Estado para até as 19h e impõe toque de recolher a partir das 21h, o decreto municipal nº 8.340/2021 permite atividades das 6h às 22h, e a proibição de circulação das pessoas a partir das 23h.
 
Reclamação para o STF

A Prefeitura de Cuiabá acionou o STF contra a decisão na quinta-feira (4), alegando que editou um decreto "mais razoável" porque levou em consideração os interesses e as peculiaridades locais, para tentar conciliar a necessidade do endurecimento das medidas sanitárias e a garantia da economia local.

 
No dia anterior, o Tribunal de Justiça acatou pedido do Ministério Público e, apesar de reconhecer a competência do município para ditar o funcionamento do comércio na cidade, o desembargador Orlando Perri entendeu que deve prevalecer as medidas mais restritivas, diante do atual momento vivido no Estado. 

Nessa quinta-feira (4), a taxa de ocupação de leitos chegou a 97% e existiam apenas 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI)

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet