Cuiabá, sexta-feira, 14/05/2021
17:49:02
informe o texto

Notícias / Geral

11/04/2021 às 18:00

Autismo não é doença: no mês de conscientização psiquiatra fala sobre acolhimento

Houve um aumento no número de diagnóstico do transtorno no último ano e acredita-se que o fato de pais ficarem mais em casa e observai o comportamento dos filhos

Luzia Araújo

Autismo não é doença: no mês de conscientização psiquiatra fala sobre acolhimento

Foto: Reprodução

Estima-se que 70 milhões de pessoas no mundo tenham autismo, sendo que dois milhões delas estejam no Brasil, porém esse número pode ter aumentado com a pandemia do coronavírus. Segundo Jaqueline França, psiquiatra especialista no tratamento do espectro autista, o número de diagnóstico do transtorno cresceu no último ano.

Ela explicou que o aumento pode estar ligado ao fato dos pais estarem mais tempo em casa, devido as medidas de biossegurança para conter o avanço do vírus e observarem os comportamentos frequentes do autismo nos filhos. 

“Antes as crianças ficavam o dia inteiro na creche, escola ou com babás e, agora, não existe mais isso. Os pais estão mais presentes em casa e observaram os comportamentos frequentes do autismo”.   

A psiquiatra ressaltou que houve também um crescimento no diagnóstico do transtorno em pessoas adultas. Ela explicou que a família que tem a suspeita do espectro autista em casa precisa procurar um psiquiatra ou um neurologista, para fechar um diagnóstico e iniciar o acompanhamento. 

“Ainda temos muitos mitos que envolvem o transtorno do espectro autista. O autismo não é uma doença. Ele é um transtorno, uma condição neurológica, que vai afetar todo o organismo da pessoa, por isso encontramos muitos falando também que o autismo é neurobiológico. As pessoas dentro do espectro autista vão ter dificuldade de interagir socialmente e de se comunicar, além dos comportamentos motores repetitivos nos quais a criança não consegue conter”.

Jaqueline explicou que não existe um exame que identifica se a pessoa é autista ou não, porém é feita uma avaliação clínica, baseada em manifestações comportamentais.

“O psiquiatra ou o neuro vão precisar de avaliações mais focadas de outros especialistas. Ai entraria avaliações de uma psicóloga para avaliar a parte de comportamento. Um fonoaudiólogo para avaliar a parte de comunicação da linguagem. Um terapeuta ocupacional para avaliar a disfunção no processamento sensorial. Então, utilizando dessas informações e o neuro vai poder fechar ou não o diagnóstico”

A especialista destacou a importância de compreender o comportamento de um autista no nosso dia a dia. Ela também lembrou que abril é o mês internacional de conscientização do autismo e que a data importante para divulgar transtorno e acabar com a discriminação. 

“Quando conhecemos o assunto, eu me coloco no lugar do outro e compreendo o que acontece com ele. Então fica mais fácil buscar estratégias para compreender um autista. Precisamos trabalhar e conseguir viver com o diferente, independente do nome que damos para ele. Devemos nos colocar no lugar da outra pessoa e compreende-lo. Além disso, precisamos sair de um espaço de apontar e dizer o que o outro é e passarmos para o espaço de evolução pessoal”. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet