Cuiabá, quinta-feira, 13/05/2021
02:55:54
informe o texto

Notícias / Geral

04/05/2021 às 13:08

Sem vacinas da Coronavac, Rondonópolis cobra envio da Pfizer e garante ter 'super freezer'

Secretário de saúde do município procurou a SES cobrando nova remessa da Coronavac e envio das vacinas da Pfizer

Camilla Zeni

Sem vacinas da Coronavac, Rondonópolis cobra envio da Pfizer e garante ter 'super freezer'

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O município de Rondonópolis (212 km de Cuiabá) é mais um, em todo o país, que enfrenta a falta de vacinas Coronavac, do Instituto Butantan, para aplicação da segunda dose ao público que já começou a imunização. Diante do quadro, o secretário municipal de Saúde, Vinícius Amoroso, cobrou da Secretaria Estadual (SES) mais atenção ao município. 

Em reunião na SES com a secretária em exercício, Danielle Carmona, nessa segunda-feira (3), Amoroso destacou que o município estaria preparado para receber parte das vacinas da fabricante norte-americana Pfizer, que chegaram a Mato Grosso naquela tarde. 

Segundo Amoroso, o município já providenciou o "super freezer" necessário para armazenamento desses imunizantes. Isso porque, por determinação da fabricante, as doses devem ser armazenadas em uma temperatura entre -25ºC e -15ºC por até duas semanas. Depois desse período, a exigência é de que sejam guardadas entre -90ºC e -60ºC. 

Apesar da garantia de Rondonópolis, a SES informou que o primeiro lote das vacinas americanas ficará exclusivamente com Cuiabá, que deverá receber as 7.020 doses do imunizante nesta terça-feira (4). A medida atendeu também uma recomendação do Ministério da Saúde, que pediu prioridade às capitais, em razão da logística de armazenamento. 

Entretanto, conforme a Secretaria de Saúde de Rondonópolis, a SES teria dado garantias de que, quando for enviada nova remessa de imunizantes, outros municípios serão contemplados, "independentemente de ter ou não o super freezer". 

Já em relação à Coronavac, o secretário ouviu que uma carga maior da vacina deve ser enviada pelo Ministério da Saúde na próxima semana. Atualmente, a única vacina em aplicação no município é a da AstraZeneca, da Fiocruz.

Falta da Coronavac

No Brasil, diversos municípios enfrentam a falta de vacinas Coronavac para aplicação de segunda dose contra a covid-19. Isso aconteceu porque, há dois meses, o Ministério da Saúde, sob a gestão do general Eduardo Pazuello, orientou às prefeituras que aplicassem todas as vacinas recebidas de uma única vez, descartando risco de desabastecimento. 

A determinação contraria as primeiras recomendações do próprio Ministério da Saúde, que orientava os municípios a aplicarem apenas metade do quantitativo que recebiam. Dessa forma, a aplicação da segunda dose naqueles que já foram vacinados estaria garantida. 

Cabe destacar que, no caso da Coronavac, a segunda dose deve ser tomada após 21 dias da primeira aplicação. O Instituto Butantan garantiu que, no entanto, a aplicação da última dose em um período de 15 a 21 dias fora do prazo ainda não compromete a eficácia da vacina. Por isso, orientam que o público busque a imunização tão logo sejam enviados os imunizantes. 

 
Com informações da assessoria do município

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet