Cuiabá, sábado, 20/07/2024
14:29:51
informe o texto

Notícias / Cinema

15/03/2023 às 15:14

Festival Visões Periféricas premia curta gravado em Rondonópolis

“Ana Rúbia”, de Diego Baraldi e Íris Alves Lacerda, recebeu prêmio do júri técnico na mostra Fronteiras Imaginárias

Entretê

Festival Visões Periféricas premia curta gravado em Rondonópolis

Frame do documentário Ana Rúbia

Foto: Divulgação

O curta documentário mato-grossense “Ana Rúbia”, de Diego Baraldi e Íris Alves Lacerda, foi premiado pelo júri técnico da Mostra Fronteiras Imaginárias do 16º Festival Visões Periféricas, realizado entre 2 e 8 de março, no Rio de Janeiro.

O documentário premiado mostra um pouco do cotidiano da personagem-título, pessoa trans que reside em Rondonópolis (toda etapa de gravação foi realizada na cidade). No curta, Ana Rúbia é observada em algumas de suas interações sociais, atravessamentos religiosos, de amizade e profissionais (ela é educadora e pesquisadora). O curta também acompanha o lançamento do livro de Ana Rúbia, “Memórias escolares de travestis: narrativas de um ‘não lugar’” (lançado e comercializado com o nome de registro de nascimento da autora, Bruno do Prado Alexandre).

“O curta é essa experiência de poder me ver na tela e, mais do que isso, de ver a potência que a vida das pessoas em dissidência de gênero significa em uma sociedade que tenta homogeneizar e estigmatizar as pessoas”, afirmou a personagem-título na cerimônia de premiação do Festival, na Sala 3 do Cine Estação NET Botafogo.

O documentário é resultado de um projeto contemplado no edital Nascentes, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel/MT), com recursos da lei Aldir Blanc.

A proponência e produção executiva do projeto foram realizadas pela produtora cultural Dê Silva, mulher trans de Rondonópolis. A premissa e estrutura inicial do projeto foram desenvolvidas pela protagonista do curta e pelo realizador Diego Baraldi.



No processo de pré-produção do documentário, juntou-se ao projeto a realizadora Íris Alves Lacerda. Nas gravações, participaram Ayrton Amaral, Jadielson Morais/Jedai, Daniel Dias, Renan Souza. Compartilham cenas com Ana Rúbia, outras personagens, como Jully Andrews e Dê Silva.

Outros curtas de Mato Grosso tiveram destaque na programação do Festival: a ficção “Fábrica de palavras” (2022, 21’), de Ronaldo Adriano, também participou da Mostra Competitiva Fronteiras Imaginárias; já a ficção “A velhice ilumina o vento” (MT, 2022, 20’), de Juliana Segóvia, participou, junto com o documentário “Hermanos, aqui estamos” (MT, 2021, 24’), de Jade Rainho, da programação on-line do Festival, com difusão através da Plataforma Itaú Cultural Play.

O Festival homenageou o cineasta mato-grossense Takumã Kuikuro e a Kaitsu Filmes Produções/Coletivo Kuikuro. Como parte das homenagens, foram exibidos cinco filmes de Takumã Kuikuro na Sala 3 do Cine Estação NET Botafogo: “Nguné Elü: o dia em que a lua menstruou” (Takumã Kuikuro & Maricá Kuikuro, MT, 2004, 28’), “Kagaiha Atipügü - pele de branco” (Takumã Kuikuro e Marrayury Kuikuro, MT, 2012, 25’), “Ete London - Londres como uma aldeia” (Takumã Kuikuro, Londres/MT, 2015, 20’), “Território Pequi” (Takumã Kuikuro, MT, 2021, 22’) e o longa “As hiper-mulheres” (Takumã Kuikuro, Leonardo Sette & Fausto Carlos, MT, 2011, 80’).

Assessoria
Clique AQUIentre no grupo de WhatsApp do Entretê e receba notícias de Cultura e programações artísticas.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet