Cuiabá, quinta-feira, 13/08/2020
01:08:07
informe o texto

Notícias / Judiciário

28/07/2020 às 15:39

Policial penal flagrado com drogas é condenado por improbidade, mas juíza nega demissão

O servidor confessou que praticava o crime e disse ainda que faciLItava a entrada de drogas e celulares na PCE

Camilla Zeni

Policial penal flagrado com drogas é condenado por improbidade, mas juíza nega demissão

Foto: Reprodução

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, condenou um agente penitenciário por improbidade administrativa. No entanto, anotou que não cabe puní-lo com a perda da função pública, mantendo-o como servidor do Sistema Penitenciário de Mato Grosso. A decisão foi publicada no Diário Oficial de Justiça dessa terça-feira (28).

Conforme o processo, o servidor foi denunciado pelo Ministério Público depois de ter sido preso em flagrante por tráfico de droga, em dezembro de 2013. Ele chegou a ficar preso de forma preventiva e a responder um processo administrativo disciplinar (PAD) aberto pelo Estado.

No PAD, o agente confessou que fazia tráfico de drogas há pouco tempo, e ainda acrescentou que trabalhava com o objetivo de facilitar a entrada de entorpecentes e celulares para os recuperandos da Penitenciária Central do Estado, onde ele atuava. Ele ainda classificou que passou a fazer o serviço "por ganância" já que não tinha problemas financeiros.

Na época de sua prisão, o agente já vinha sendo monitorado e foi abordado pela polícia quando transitava com seu carro pela cidade. No veículo foram encontradas porções de drogas e R$ 783,95.

Ao analisar o caso, a juíza ponderou que o servidor agiu de forma totalmente contrária ao que diz o seu dever. "O servidor ocupante de cargo vinculado à segurança pública, como é o caso, mais que qualquer outro, tem o dever jurídico de agir para impedir a lesão às pessoas e aos seus bens. Não pode o agente penitenciário igualar-se aos criminosos, incidindo em gravíssimo crime de tráfico de drogas, devendo, ao contrário, zelar pelo nome da instituição a que serve, dentro e fora dela", frisou.

Segundo Vidotti, no fim do procedimento administrativo, o agente foi punido com a demissão do serviço público. Já na Justiça, segundo a magistrada, a perda da função pública é considerada uma decisão extrema e excepcional, e que não cabia ao caso.

O agente foi condenado, portanto, à suspensão dos direitos políticos por três anos, pagamento de multa civil de 10 vezes o valor de seu salário e ficou proibido de contratar com o Poder Público. Ele também teve que arcar com os custos processuais.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet