Cuiabá, segunda-feira, 12/04/2021
00:44:40
informe o texto

Notícias / Judiciário

12/02/2021 às 10:46

Justiça nega nova perícia e cobra entrega de armas da família Cestari

Pais de adolescente condenada por morte de Isabele Guimarães pediram nova perícia nas armas e estojo envolvidos no crime

Camilla Zeni

Justiça nega nova perícia e cobra entrega de armas da família Cestari

Marcelo Cestari

Foto: Bruno Pinheiro/Playagora

O juiz Murilo Moura Mesquita, da 8ª Vara Criminal de Cuiabá, negou pedido de Marcelo Martins Cestari e Gaby Oliveira Cestari para a produção de nova perícia nas armas e estojo que envolvem o assassinato da adolescente Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos. 

Em sua decisão, da tarde de quinta-feira (11), o magistrado também reforçou as medidas cautelares de entrega das armas de fogo da família e a suspensão imediata da autorização para prática de tiros, caça e coleção de armas.

Marcelo e Gaby Cestari são pais da adolescente de 15 anos condenada pela morte de Isabele. A menina foi assassinada com um tiro no rosto, dentro da casa da família Cestari, no condomínio de luxo Alphaville 1, em Cuiabá.

Os pais da adolescente são acusados de omissão e negligência em relação ao porte de arma de fogo, além de fraude processual, corrupção de menores e homicídio culposo. Segundo o Ministério Público, menores de idade teriam acesso fácil às armas na casa.

Leia também - MP denuncia ex-secretário de Saúde e pede restituição de R$9,7 milhões

O juiz negou a realização de nova perícia, apontando que 
não há relação entre a prova que se pretende produzir e as condutas atribuídas aos réus. O magistrado observou que abrir a permissão para nova prova acaba se misturando com fatos apurados em processos distintos, o que "apenas tumultuaria o bom andamento deste feito".

"Ao mesmo raciocínio se chega no tocante ao pedido versado no item 12 (petição id. 45052310), na medida em que não há nenhum nexo causal entre a prova que se pretende e as condutas atribuídas aos réus neste processo, seja em relação ao homicídio culposo, à fraude processual, à posse de armas ou à corrupção de menores", completou o juiz. 


As armas e o armazenamento delas no estojo fizeram parte da investigação sobre o crime. Isso porque depoimento da acusada apontava uma versão que, segundo perícia oficial, mostrou-se impossível.

Condenação

A filha do casal, de 15 anos, foi condenada, em outra ação, a três anos de internação em razão da morte da adolescente. Desde a sentença, por ato infracional análogo a homicídio, assinada no dia 19 de janeiro pela juíza Cristiane Padim da Silva, da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá, a menor está internada no Centro de Ressocialização Menina Moça, no bairro Carumbé, em Cuiabá.

A defesa da adolescente já recorreu no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal. No entanto, todos os pedidos foram negados.

A morte

Isabele Guimarães Ramos foi morta aos 14 anos, em 12 de julho do ano passado, no condomínio de luxo Alphaville I, em Cuiabá. Ela passava a tarde de domingo na residência da família Cestari, seus vizinhos de condomínio. À noite, um disparo frontal efetuado por uma das filhas da família, e, até então, sua melhor amiga, tirou-lhe a vida.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet