Cuiabá, sábado, 17/04/2021
23:23:40
informe o texto

Notícias / Judiciário

02/03/2021 às 16:00

Mauro vai decidir onde aplicar valores recebidos por delação de José Riva

Pelos termos do acordo, Riva se comprometeu a pagar R$ 92 milhões de multa e ressarcimento por valores recebidos indevidamente

Camilla Zeni

Mauro vai decidir onde aplicar valores recebidos por delação de José Riva

Governador Mauro Mendes

Foto: Marcos Vergueiro/Secom

O governador Mauro Mendes (DEM) poderá decidir se vai manter a destinação dos valores recebidos pelo acordo de colaboração premiada do ex-governador José Geraldo Riva ou se aplicará o montante em outras esferas. A decisão foi tomada pelo desembargador Marcos Machado, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (ALMT), com base em um novo entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme o ministro Alexandre de Moraes apontou na Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 569/DF, o Ministério Público não tem competência para destinar valores de restituições e multas decorrentes de condenações criminais, colaborações premiadas e outras sanções análogas.

Com base no entendimento, Machado determinou a intimação do governador Mauro Mendes, para informar onde pretende aplicar os valores a serem recebidos. “Tão logo receba a resposta, José Geraldo Riva será intimado a proceder o depósito da segunda parcela”, apontou, em nota, o Tribunal de Justiça. A delação de Riva corre em segredo. 

Pelos termos do acordo, Riva se comprometeu a pagar R$ 92 milhões de multa e ressarcimento por valores recebidos indevidamente. A primeira parcela de R$ 15 milhões já foi paga em 28 de fevereiro de 2020 e a segunda, de outros R$ 15 milhões, venceu no último domingo (28). O restante do valor é dividido em oito parcelas de cerca de R$ 7,7 milhões.

A delação do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso foi firmada em 2019. Em outubro daquele ano, um documento que seria um aditivo à delação de Riva foi vazado na imprensa. Ele narrava fatos e relacionava diversos ex-deputados e alguns que ainda atuavam no parlamento. 

Conforme Marcos Machado, os fatos levados por Riva juntaram 57 caixas, com provas e declarações sobre os crimes praticados pela organização criminosa delatada. Pelos termos do acordo, além do valor a ser pago, Riva deve passar 3 anos e 6 meses no regime fechado. Desse tempo, porém, ele poderá subtrair os dias que já passou preso provisoriamente. Depois, o ex-deputado também deverá ficar mais 2 anos e 6 meses no regime semiaberto diferenciado. 

Segundo os termos do acordo, Riva deve ser monitorado por tornozeleira eletrônica e deve se recolher, no dias de semana, entre às 22h e às 6h. Já nos fins de semana ele deve permanecer em casa, não sendo autorizada sua saída.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet