Cuiabá, sexta-feira, 30/10/2020
11:42:35
informe o texto

Notícias / Judiciário

08/09/2020 às 14:29

TCE deve investigar decisão de Albano que se baseou em documentos inexistentes e ‘legalizou’ fraude

Valter Albano afirmou que não havia irregularidades em pagamento feito por Éder Moraes, mesmo após representação do Ministério Público. Com isso, legalizou pagamento que resultou em prejuízo de R$ 61 milhões aos cofres de MT

Camilla Zeni

TCE deve investigar decisão de Albano que se baseou em documentos inexistentes e ‘legalizou’ fraude

Conselheiro Valter Albano

O  juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso, decidiu compartilhar com o Tribunal de Contas do Estado (TCE) a decisão na qual condenou o ex-secretário de Fazenda Éder Moraes a 45 anos de prisão. Isso porque, ao analisar a denúncia do Ministério Público Federal, ele notou decisão equivocada da Corte de Contas.

O processo movido na Justiça Federal é parte das investigações da Operação Ararath, que apurou esquemas de lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos e outros crimes financeiros no âmbito do governo do Estado. Segundo a anotação do magistrado, a decisão errônea do TCE teria facilitado o esquema apurado na denúncia, e resultou em um prejuízo de R$ 61 milhões para os cofres de Mato Grosso.

Em 2012, o TCE recebeu uma representação externa do Ministério Público do Estado, apontando indícios de irregularidades em pagamentos feitos pela Secretaria de Estado de Fazenda em favor da empresa Encomind Engenharia, Comércio e Indústria. 

Contudo, ao terminar de analisar o caso, em 2014, o TCE concluiu por não ter havido qualquer ilegalidade nos pagamentos. Na época, foram questionados os valores de R$ 24.386.490,14 e R$ 80.044.577,07. O relator do caso foi o conselheiro Valter Albano, que voltou à Corte no fim de agosto após 3 anos afastados por decisão judicial.

Em sua decisão, Valter Albano afirmou que o Estado tinha obtido vantagem de 37% com o pagamento firmado, uma vez que a empresa teria acionado a Justiça com o objetivo de receber mais de R$ 213 milhões. O conselheiro ainda destacou que, depois, o juízo teria reconhecido dívida de R$ 81 milhões. Com isso, o pagamento de R$ 80 milhões representava a tal vantagem para os cofres estaduais. 

Em relação ao pagamento de R$ 24,3 milhões, Albano teria garantido que o valor já havia sido calculado pela Sefaz e pela Secretaria de Infraestrutura (Sinfra), além de ter recebido manifestações da Procuradoria Geral do Estado e da Auditoria Geral do Estado (atual CGE). 


Leia também - Em sessão de retorno, Albano diz que cautelares foram pesadas e avalia se 'entrará em detalhes'

No entanto, conforme o juiz, as informações levantadas por Valter Albano foram equivocadas. Ao contrário do que o conselheiro afirmou, segundo o magistrado, não houve nenhuma análise e conferência dos cálculos por parte das secretarias, e o caso sequer chegou até a Auditoria. Pelo contrário, as Pastas apenas reproduziram os valores pedidos pela empresa.

O juiz também afirmou que não existe pedido judicial por parte da Encomind de pagamento de R$ 213,8 milhões, mas de R$ 8,2 milhões. Esse primeiro valor, citado pelo conselheiro, teria sido pedido, contudo, em um procedimento administrativo.

Schneider ainda colocou que não houve contestação judicial dos valores por parte do Estado porque a dívida não chegou a ser liquidada em juízo. A decisão judicial dizia que era necessário apuração do valor, e isso nunca aconteceu. 

Ele também observou que não houve nomeação de perito para cálculo da dívida, de forma que o valor de R$ 81 milhões, que Albano afirmou ter sido recalculado pela Justiça, foi, na verdade, um valor retirado de documento elaborado pela própria empresa.

"Em síntese, o processo judicial referido como base para o voto do conselheiro Valter Albano, acompanhado à unanimidade pelos demais conselheiros, Antônio Joaquim, Domingos Neto, Sérgio Ricardo, Isaías Lopes da Cunha e Luiz Carlos Pereira, simplesmente, não existe", diz a decisão.

Dessa forma, o juiz federal determinou o envio de uma cópia da decisão judicial ao Tribunal de Contas do Estado, à Procuradoria-Geral da República, aos procuradores gerais de Justiça, de Contas e do Estado, ao governador Mauro Mendes e ao controlador-geral do Estado, para ciência e providências cabíveis.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet