Cuiabá, sábado, 13/04/2024
17:44:22
informe o texto

Notícias / Polícia

21/02/2024 às 08:15

VOTAÇÃO

Alterações na lei do Transporte Zero volta para plenário nesta quarta

A propositura já era para ter sido aprovada no Parlamento Estadual, mas um pedido de vistas do deputado Wilson Santos (PSD) adiou a votação no último dia 7

Kamila Arruda

Alterações na lei do Transporte Zero volta para plenário nesta quarta

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O novo projeto do Transporte Zero volta a ser remetido ao crivo do plenário na sessão ordinária desta quarta-feira (21). A matéria, de autoria do Executivo Estadual, altera o texto original, o qual está em vigor desde 1º de janeiro deste ano.

A propositura já era para ter sido aprovada no Parlamento Estadual, mas um pedido de vistas do deputado Wilson Santos (PSD) adiou a votação no último dia 7.

O parlamentar considerou imprudente tentar fazer a alteração na lei atual antes da nova audiência de conciliação no Supremo Tribunal Federal (STF), na qual é avaliada a inconstitucionalidade do projeto que proíbe a pesca profissional em MT. 

Novo projeto

Entre as mudanças propostas está a autorização da pesca, respeitando as medidas e as cotas previstas na lei, de mais de 100 espécies de peixes nos rios de Mato Grosso.

No entanto ficará vedado o transporte, armazenamento e a comercialização das espécies Cachara, Caparari, Dourado, Jaú, Matrinchã, Pintado/Surubin, Piraíba, Piraputanga, Pirara, Pirarucu, Trairão e Tucunaré pelo período de 5 anos. 

A atividade pesqueira também continuará permitida aos povos indígenas, originários e quilombolas, que a utilizarem para susbsistência e, também para comercialização e o transporte de iscas vivas, que deverão ser regulamentados por Resolução do Cepesca.

Além dessas atividades, o novo projeto, ainda libera a modalidade “pesque e solte” e a pesca profissional artesanal, desde que atendam às condições específicas previstas na lei, com exceção do período de defeso, que é a piracema.

Transporte Zero

A Lei do Transporte Zero entrou em vigor em 1º de janeiro deste ano. No entanto, tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), a qual aponta ima série de ilegalidades na norma.

A fim de evitar a derrubada da lei, uma audiência de conciliação foi realizada no mês passado. Na oportunidade, o Governo do Estado se comprometeu a melhorar a lei.

Diante disso, uma série de alterações na legislação vigente foi feita pelo Executivo Estadual por meio de um decreto, e uma minuta especificando essas mudanças foi enviada para avalição da corte Suprema.
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet